Passos vendeu empresa de diamantes dias antes de o Governo cair

Uma semana após tomar posse e quatro dias antes de o seu Governo cair, o antigo primeiro-ministro assinou um acordo com Angola que terá feito perder 30 milhões de euros ao Estado.

A 6 de novembro de 2015, Pedro Passos Coelho vendeu a participação do Estado em três minas de diamantes angolanas à Empresa Nacional de Diamantes de Angola (ENDIAMA), o que terá feito o Estado perder cerca de 30 milhões de euros.

A notícia é avançada pelo “Correio da Manhã”, realçando que o acordo foi assinado entre a empresa estatal angolana que gere o setor dos diamantes e a Sociedade Portuguesa de Empreendimentos (SPE), tutelada pelo ministério das Finanças.

De acordo com o que foi estabelecido no negócio, as três principais minas angolanas tinham participações diferentes: 49% na Sociedade Mineira do Lucapa, 24% na mina de Calonga e 4,9% na mina do Camutué, ambas localizadas na província de Lunda Norte.

Ao CM, a Parpública, detentora da SPE, confirmou que “o diferendo que que opôs diretamente a SPE e a ENDIAMA, no âmbito da SML – Sociedade Mineira do Lucapa, foi dirimido com base num acordo firmado a 6 de novembro de 2015 entre estas empresas, na sequência de negociações desenvolvidas sob orientações do Governo”.

Nesse pacto, as entidades comprometeram-se a desistir de todas as ações judiciais decorrentes de um conflito que remontava ao ano de 2011. “Só a mina do Lucapa foi avaliada, por um banco nacional, em 150 milhões de euros, quase 30 milhões de euros a mais do que a SPE recebeu da ENDIAMA”, escreve o jornal, esta segunda-feira.

A Sociedade Mineira do Lucapa foi constituída em 1992, pelo que a SPE (portuguesa) tinha 49% do capital social e a ENDIAMA (angolana) 51% do capital.

Ler mais

Recomendadas

Correia de Campos: “Não houve gestão estratégica para a administração pública em 20 anos”

.Numa altura em que está marcada uma greve nacional da função pública para dia 31 contra a proposta de aumentos salariais do Governo, de 0,3%, o presidente do CES defende que “as preocupações salariais são essenciais”, mas lamenta que elas tenham “dominado em excesso as preocupações da gestão da AP”.

Eurogrupo reúne esta segunda-feira com Orçamento português na agenda

O aprofundamento da União Económica e Monetária, a missão intercalar do FMI e a proposta de política económica para os países da moeda única este ano estão entre os outros pontos de agenda do encontro dos ministros das Finanças da zona euro.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

Christine Lagarde poderá anunciar o início formal da revisão estratégica do BCE depois da reunião de quinta-feira. A semana ser marcada pelo World Economic Forum em Davos e pela época de resultados em Wall Street.
Comentários