Paulo Macedo admite aplicar comissões a depósitos de bancos e institucionais

“A nossa única vontade será de cobrar comissões a bancos e a instituições financeiras”, admitiu Paulo Macedo, durante a apresentação de resultados.

Cristina Bernardo

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) apenas admite cobrar comissões “a bancos e a instituições financeiras”, disse o presidente executivo do banco, Paulo Macedo. O CEO disse que não cobrará juros negativos nos depósitos “nem a particulares, nem a empresas, nem a empresas públicas”, sublinhou.

“A nossa única vontade será de cobrar comissões a bancos e a instituições financeiras”, admitiu Paulo Macedo, durante a apresentação de resultados do banco público, referindo-se ao tema da cobrança de taxas de juros negativos nos depósitos.

Como é proibido cobrar juros negativos nos depósitos, os bancos estão a querer aplicar comissões a alguns depósitos para compensar os juros negativos que o BCE cobra aos bancos que depositam lá as reservas excedentárias.

A APB está a pedir ao Banco de Portugal para os bancos poderem cobrar comissões a depósitos de grandes empresas e empresas públicas.

Mas a CGD esclarece que “a legislação é clara e a Caixa cumpre a legislação”.

“Não iremos cobrar comissões nem aos particulares nem às empresas, e não prevemos cobrar às empresas públicas”, esclareceu.

No entanto, Paulo Macedo afirmou que, “se houver uma circulação de afluxo à Caixa de montantes que vêm de outros bancos porque nos outros bancos esses depósitos de multinacionais, por exemplo, é cobrada uma comissão, e portanto vêm para a Caixa apenas para fugir a essa comissão de outro banco, não sendo nossos clientes e não tendo relação connosco, obviamente poderemos vir a equacionar”.

“No nosso cenário não está em cima da mesa cobrar comissões a empresas públicas, a empresas, e muito menos a particulares”, reiterou o responsável do banco público.

Paulo Macedo lembrou no entanto que para cumprir a lei de refletir os juros negativo no crédito à habitação a CGD já pagou meio milhão de euros em juros negativos. O que beneficiou 12.500 empréstimos.

Ler mais
Relacionadas

Presidente da CGD diz que a sua idoneidade não está “em avaliação”

A avaliação da idoneidade de Paulo Macedo tem sido falada desde que o gestor foi referenciado como tendo dado emprego, quando estava no BCP, a um ex-assessor do antigo ministro da Economia Manuel Pinho, a pedido da EDP.

Propostas vinculativas para comprar o Banco Caixa Geral Brasil esperadas até ao fim do ano

A CGD espera fechar a vendas do banco no Brasil e receber ofertas indicativas para o banco de Cabo Verde em 2020.

CGD dispensada de fazer um depósito no IGCP a favor do Estado por causa dos créditos fiscais

A Caixa está entre os bancos que pediram créditos tributários ao Estado, na sequência de terem aderido ao regime especial dos ativos por impostos diferidos, criado em 2014. A maioria dos bancos tem de fazer um depósito no IGCP para assegurar a conversão desses créditos em ações. Mas a CGD está dispensada.
Recomendadas

Regras da EBA sobre divulgação de malparado para bancos pequenos entram em vigor a 31 de dezembro

“O Conselho de Administração do Banco de Portugal aprovou a Instrução n.º 20/2019 que introduz no quadro normativo nacional as Orientações da Autoridade Bancária Europeia (EBA) sobre a divulgação de exposições não produtivas e exposições reestruturadas por parte das instituições de crédito menos significativas”, anuncia o supervisor bancário nacional.

PremiumAuditoria deverá deixar de fora venda da Tranquilidade por 40 milhões de euros

Apesar de o perímetro da auditoria da Deloitte ainda não estar concluído, o Jornal Económico sabe que a venda de ativos estará fora do âmbito da análise.

PremiumCaixa e Banco de Portugal dão 900 milhões de euros em dividendos ao Estado

A CGD vai pagar ao Estado 300 milhões de dividendos. Mais 100 milhões que compensarão a menor remuneração do BdP, que será cerca de 600 milhões.
Comentários