Paulo Macedo antecipa imparidades superiores a mil milhões de euros

Na última crise, “a Caixa teve mais  7 mil milhões de imparidades e o sistema tinha mais de 20 mil milhões. Esse valor não é absorvível, temos de evitar de chegar a estes números outra vez”, alertou o presidente executivo do banco público.

Cristina Bernardo

O presidente executivo da Caixa Geral de Depósitos, Paulo Macedo, admitiu que as imparidades que vão resultar da crise da Covid-19 não vão atingir os níveis da crise anterior, mas antecipou que poderão ser superiores a mil milhões de euros.

O CEO do banco do Estado, no âmbito da audição da Comissão de Orçamento e Finanças (COF), falava em termos ‘macro’. “Fala-se em mais de mil milhões de imparidades, isto é o que o afeta essencialmente a rentabilidade da Caixa”, explicou.

Com as moratórias, Paulo Macedo antecipa que as imparidades só comecem a ser registadas no balanço do banco no quarto trimestre.

Na última crise, “a Caixa teve mais  7 mil milhões de imparidades e o sistema tinha mais de 20 mil milhões. Esse valor não é absorvível, temos de evitar de chegar a estes números outra vez”, alertou o presidente executivo do banco público.

Paulo Macedo disse que a CGD “está hoje melhor preparada para esta crise porque tem condições de liquidez melhores”.

“A Caixa é um ‘refúgio’ em situações de maior instabilidade, mantendo quase um terço dos depósitos de todos os particulares, e tem uma menor exposição às grandes concentrações num só nome, que foi a causa das grandes imparidades da banca portuguesa. O rácio de NPL está abaixo de 5% e com um rácio de cobertura de 1,1%”, explicou Paulo Macedo.

Ler mais
Relacionadas

CGD recebeu 30 mil pedidos de moratórias no valor de 2,4 mil milhões de euros

O apoio da CGD à economia, somando as moratórias, aos créditos aprovados ao abrigo das linhas Covid-19, aos créditos pré-aprovados para os seus clientes, e à concessão de novo financiamento, totaliza 10,7 mil milhões de euros. Micro e pequenas empresas vão ter acesso a uma linha de crédito de 430 milhões de euros.

BCP dá crédito em sete dias e cobra juro inferior a 1,5%

Miguel Maya, CEO do BCP, revelou esta tarde no Parlamento que o banco disponibilizou cerca de 4,3 mil milhões de euros em crédito em mais de 16 mil operações. Pedidos de moratória já chegaram aos 70 mil e totalizaram cerca 5,5 mil milhões de euros.

Santander Totta já aprovou 2,2 mil milhões de euros em crédito nas linhas Covid-19

O CEO do Santander Totta, Pedro Castro e Almeida, revelou que o banco já recebeu cerca de 70 mil pedidos de moratória em créditos no valor de 7,7 mil milhões de euros.
Recomendadas

Liberty cria ecossistema na ‘cloud’ pública

Construir um seguro à medida de cada um e uma oferta personalizável é o objetivo da Liberty Seguros com um novo ecossistema, afirma Alexandre Ramos, da área tecnológica da companhia.

PremiumJane Fraser: Mulher escocesa atingiu o topo do mundo financeiro de Wall Street

A CEO do Citigroup é a primeira mulher a chegar ao topo de um banco cotado na bolsa mais importante do planeta, após uma fulgurante carreira em instituições de referência. O que também é uma referência, e não das melhores, é que a sua nomeação ainda seja notícia.

PremiumBraga de Macedo e Nuno Cassola: “Alimentou-se a ilusão de que o sistema bancário era sólido”

“Por onde vai a Banca em Portugal?” é o novo livro de Jorge Braga de Macedo, Nuno Cassola e Samuel da Rocha Lopes. Os dois primeiros falaram ao Jornal Económico sobre o passado, a gestão, a supervisão e o futuro do setor.
Comentários