Paulo Macedo confirma venda de carteira com 1.700 créditos malparados

São créditos que estão incumprimento em média há oito anos, explicou Paulo Macedo, que lembrou que estes créditos têm de ser imparizados por determinação regulatória.

Paulo Macedo | Cristina Bernardo

A CGD tem no mercado a venda da carteira de malparado “Mercury”, que o CEO da Caixa, disse ser de uma carteira granular e não de grandes devedores, sendo ao todo cerca de 1.700 operações de cerca de 100 milhões de euros. São “créditos em média de 62 mil euros por operação”, nessa carteira.

“Nunca fizemos vendas de créditos de grandes devedores”, disse o presidente da CGD, esta sexta-feira, em conferência de imprensa.

São créditos que estão incumprimento em média há oito anos, explicou Paulo Macedo, que lembrou que estes créditos têm de ser imparizados por determinação regulatória. “Mesmo que o crédito tenha uma garantia é necessário reconhecer uma provisão para efeitos do chamado backstop“.

A carteira “Mercury” da Caixa Geral de Depósitos, no valor de 128 milhões de euros, é de crédito com garantias (secured).

A CGD revelou no semestre uma melhoria da qualidade de ativos. O montante de NPL (non performing loans, segundo definição EBA) a reduziu-se face a junho de 2020 em 281 milhões de euros (-11,1%), em resultado da evolução positiva nas componentes de curas e recuperações.

O rácio de NPL atingiu 3,2%, valor que compara com 4,4% observados em junho de 2020. “Se considerado o volume global de imparidades para crédito, atingimos um rácio de cobertura de 103,8% (cobertura total de 134,5% se incluídos colaterais afetos), colocando o rácio de NPL líquido de imparidades em 0%. O risco destes créditos em incumprimento está totalmente coberto”, disse o CFO, José de Brito.

Esta evolução reflete igualmente o reforço das imparidades de crédito efetuado em 2020 e no primeiro semestre de 2021.

O agregado de imparidade para crédito reflete, no período em análise, um custo do risco do crédito de 19 pb, o qual compara com um custo do risco de crédito de 31 pb, no primeiro semestre de 2020.

A Caixa reportou um resultado líquido consolidado alcança 294,2 milhões, originado um ROE (rentabilidade) de 7,2% e um crescimento de 18,3% face ao período homólogo. O resultado líquido da atividade corrente atinge os 250 milhões.

O CEO explicou que o banco suportou custos de 65 milhões de euros com as contribuições obrigatórias do setor bancário, para o Fundo de Garantia de Depósitos, para o Fundo de Resolução e para o Fundo Único de Resolução.

Relacionadas

Caixa Geral de Depósitos aumenta lucros para 294 milhões de euros

No primeiro semestre, o resultado líquido consolidado da CGD atingiu 294 milhões de euros (249 milhões no período homólogo). O banco revela ainda a “continuação do reforço de imparidades de crédito em 90,2 milhões de euros em base preventiva dos potenciais efeitos da crise pandémica”.

Caixa Geral de Depósitos e BCP passam nos testes de ‘stress’ da EBA

No caso do BCP, o teste revelou que o banco, num cenário de situação adversa, ficaria com um CET1 ‘fully loaded’, ou seja, tendo em conta futuras exigências de capital, de 8,14% em 2023, uma redução de 406 pontos base em relação ao cenário do final de 2020, de 12,20%. 

CGD com 5.473 milhões de crédito em moratória representando 13,7% do total

A CGD tem menos 519 milhões de euros de crédito em moratória face a janeiro, somando em junho 5.473 milhões de euros, o que representa 13,7% da carteira de crédito total. Mas 67% está em situação regular (Stage 1).
Recomendadas

Caixa não pode “descurar o rigor” nem cometer “erros” após boas notícias, diz Paulo Macedo

“Se a Caixa se mantiver competitiva, se a Caixa assegurar uma boa ‘governance’, se a Caixa mantiver um rigor de crédito e melhorar as suas práticas e cada vez tiver mais próxima do cliente, se não fizer o oposto disto, eu acho que apesar do negócio bancário estar muito difícil, e dos proveitos ‘core’ bancários preverem-se estar estagnados, a Caixa tem uma boa base para prosseguir o seu caminho”, disse o CEO da CGD.

Impacto do fim das moratórias na banca será menor que esperado, diz CEO da CGD

“O final das moratórias afetará muitas empresas e muitos particulares – por exemplo no caso da CGD houve mais de 2.000 pessoas que nos pediram para restruturar os seus créditos e, portanto, restruturámo-los -, mas em termos macroeconómicos diria não se espera que o fim das moratórias cause um problema nos bancos, como estava dito, ou cause um problema enorme”, disse Paulo Macedo.

Moody’s melhora rating de seis bancos portugueses

A Moody’s realizou hoje ações de rating em seis grupos bancários portugueses – CGD, BCP, Santander, Novo Banco, BPI e Crédito Agrícola. A agência elevou as classificações de depósito de longo prazo de quatro bancos e a classificação de dívida sénior sem garantia (unsecured) de um banco. Também mudou a perspectiva dos ratings de depósito de longo prazo de três bancos e dos ratings de dívida sénior não garantida de um banco.
Comentários