Paulo Rangel espera ver Rui Rio primeiro-ministro a “curto prazo” e revela-se “convertido” ao referendo da eutanásia

Eurodeputado disse que António Costa poderá ser forçado a demitir-se da próxima vez que ameaçar fazê-lo e criticou um “governo de encenações” e de “ministros invisíveis”, apelando a Rui Rio para contar com os “candidatos dignos” Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz.

O eurodeputado social-democrata Paulo Rangel terminou a sua intervenção no Congresso do PSD, que decorre em Viana do Castelo até domingo, entusiasmando a plateia com a convicção de que “vamos ser governo a curto-prazo e que será com Rui Rio a primeiro-ministro de Portugal que vamos conseguir esse desígnio”.

A tese de que a presente legislatura poderá ficar a meio foi defendida pelo vice-presidente do Parlamento Europeu ao dizer que da próxima vez que António Costa “tiver medo e ameaçar com a demissão” – naquilo a que chamou “governo do pastor e do lobo”, na medida em que o líder do Executivo minoritário do PS coloca o cenário de demissão “de cada vez que o PSD apresenta uma medida diferente e que tem de ser aplicada responsavelmente” -, o primeiro-ministro “é capaz mesmo de ter que demitir-se”.

Referindo-se ao chumbo da redução do IVA da eletricidade na votação final do Orçamento do Estado, Rangel dirigiu-se à comunicação social para contestar a visão de que o PSD impediu a aplicação da medida ao voltar atrás na intenção de aprovar um aditamento do PCP nesse sentido, alegando que seria irresponsável fazê-lo sem contrapartidas. E também recordou as palavras da ministra da Agricultura, Maria do Céu Albuquerque, que apontou o coronavírus como positivo para as exportações portuguesas, alegando que “se houvesse uma ministra ou ministro do PSD a fazer as declarações que a ministra da Agricultura fez era obrigado a demitir-se no minuto seguinte”.

“O que seria se tivéssemos nomeado uma procuradora-geral da República que está a tentar silenciar o Ministério Público?”, inquiriu ainda o eurodeputado, que lançou críticas contundentes sobre “um governo de encenações” e “de ministros invisíveis”. Um estatuto que aplicou aos responsáveis pelas pastas do Planeamento, Mar, Administração Pública e Coesão Territorial, bem como à ministra da Justiça, Francisca van Dunem, “que só se vê muito raramente”.

Referendo “para não acabarmos como a Holanda”

Mas Paulo Rangel também anunciou que se convenceu da necessidade de realizar um referendo sobre a eutanásia, como foi defendido numa das moções temáticas apresentadas no congresso social-democrata. “Precisamos de um referendo porque não há discussão nem debate na sociedade portuguesa. Não se pode tomar uma decisão destas nas costas dos portugueses”, defendeu o eurodeputado, apelando à criação de um movimento pró-referendo “para não acabarmos como a Holanda, onde vão dar às pessoas com mais de 70 anos um comprimido para se suicidarem quando quiserem”.

Apoiante de Rui Rio nas diretas que reconduziram o antigo presidente da Câmara do Porto na liderança do PSD, Paulo Rangel adotou um tom conciliador para o interior do partido, assegurando que o partido deve contar com os “candidatos dignos” Luís Montenegro e Miguel Pinto Luz. “O partido contará com os dois para construirmos esse grande projeto social-democrata para Portugal e para os portugueses. O nosso projeto é reformista e reformador, um projeto de mudança da sociedade portuguesa, para acabar com este crescimento anémico, para acabar com a dívida publica, com a dívida externa, para no médio prazo colocar este país num horizonte de prosperidade”, disse o eurodeputado, muito aplaudido ao recordar que Viana do Castelo recebeu o primeiro congresso marcado pela ausência do carismático assessor de imprensa Zeca Mendonça, falecido em 2019.

 

Ler mais
Relacionadas

Congresso PSD. Montenegro citou Sá Carneiro e diz que PSD não será “tábua de salvação de António Costa”

“O que não posso, porque não tenho esse direito, é calar-me, seja sob que pretexto for”, citou Luís Montenegro no fim do seu discurso, apontando para a frase proferida por Sá Carneiro na Assembleia Nacional em 1972.

Congresso do PSD: deputado Adão e Silva disponível para liderar bancada parlamentar

Para o deputado, o tema da sucessão na bancada parlamentar só se porá quando o presidente do partido, Rui Rio, e também presidente da bancada parlamentar do PSD, renunciar ao seu mandato.

Rui Rio: “Deslocar o PSD para a direita é desvirtuar os nossos princípios e valores”

No discurso de abertura do 38.º Congresso Nacional do PSD, o líder social-democrata, Rui Rio, defendeu a necessidade de “coerência e elevação” na ação política do PSD e sugeriu que, se o partido tivesse seguido a estratégia política que os seus opositores e críticos internos defendiam, teria dado ao PS “uma maioria absoluta”.
Recomendadas

António Costa regressa hoje ao Parlamento para um novo debate sobre política geral

O quarto debate sobre política geral no Parlamento acontece numa altura em que a atualidade política tem sido marcada pela situação dos imigrantes em Odemira e os sucessivos pedidos de demissão do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita. As contas do Novo Banco e a pandemia são outras questões que poderão vir a ser levantadas pelos deputados ao primeiro-ministro.

Da amnésia nas CPIs à dimensão do movimento #MeToo em Portugal. Ouça o podcast “Maquiavel para Principiantes” de Rui Calafate

“Maquiavel para Principiantes”, o podcast semanal do JE da autoria do especialista em comunicação e cronista do “Jornal Económico”, Rui Calafate, pode ser ouvido em plataformas multimédia como Apple Podcasts e Spotify.

Costa diz serão retiradas as “devidas consequências políticas” se vir trabalho feito em Odemira

O primeiro-ministro considerou, esta quarta-feira, que se, no início do próximo ano, regressar a Odemira e já observar trabalho feito para “habitação condigna” de trabalhadores agrícolas, isso significará que o Governo retirou “as devidas consequências políticas” da atual situação.
Comentários