PCP defende que aumento do salário mínimo é “decisivo” para dar resposta à crise provocada pela Covid-19

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defende que o aumento do salário mínimo é essencial para “melhorar as condições de vida, combater a recessão, criar emprego e desenvolver o país” e que será “um mau sinal” se o Governo não cumprir acordo sobre o salário mínimo.

Flickr/Festa do Avante

O Partido Comunista (PCP) considera que o aumento do salário mínimo é “decisivo” para dar resposta à crise provocada pela pandemia da Covid-19. O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defende que o aumento do salário mínimo é essencial para “melhorar as condições de vida, combater a recessão, criar emprego e desenvolver o país” e que será “um mau sinal” se o Governo não cumprir acordo sobre o salário mínimo.

“Em todas as situações, mas ainda mais numa situação como a atual com sinais de recessão, a valorização do trabalho e dos trabalhadores, dos seus salários e direitos é necessária para a melhoria das suas condições de vida, mas é essencial também como estímulo à criação de emprego e ao desenvolvimento económico”, afirmou Jerónimo de Sousa, numa sessão com militantes do PCP e dirigentes da CGTP na sede do Centro Vitória, em Lisboa.

Para o secretário-geral do PCP, “a prova” de que o aumento do salário mínimo é “um aspeto decisivo” é que, “entre 2011 e 2015, o corte de salários, direitos e pensões acrescentou recessão à recessão, aumentou brutalmente o desemprego, afundou o país” e, entre 2015 e 2019, a “reposição e conquista de direitos significou ganhos para os trabalhadores e contribuiu decisivamente para a criação de emprego e para o desenvolvimento do país”.

“O aumento dos salários é essencial para melhorar as condições de vida, para combater a recessão, criar emprego e desenvolver o país. Rejeitamos com a força que decorre da experiência da vida o corte, o congelamento e o condicionamento dos salários e direitos que só serve para agravar a recessão e o desemprego, promover o empobrecimento, as injustiças e desigualdades e para afundar o país”, sublinhou o líder comunista.

Jerónimo de Sousa referiu ainda que seria “um mau sinal” se o Governo não cumprisse o objetivo de aumentar progressivamente o salário mínimo nacional aos aos 750 euros até 2023. O aumento do salário mínimo para 750 euros até ao final da legislatura consta nas grandes opções do plano, apresentadas pelo Governo, mas o ministro das Finanças, João Leão, não se comprometeu com um valor.

“A nossa intenção é, no próximo ano prosseguir com o diálogo que tem de ser feito na Concertação Social, com o aumento do salário mínimo e que haja um aumento com significado”, afirmou o ministro das Finanças, na Grande Entrevista, transmitida pela RTP3.

Para o próximo ano, estava previsto que o salário mínimo aumentasse para 670 euros.

Ler mais
Recomendadas

PremiumBruxelas recusa-se a deixar cair caso do procurador europeu

Ministra da Justiça vai ser ouvida no Parlamento Europeu a 4 de fevereiro. Eurodeputados querem novas explicações e contam com apoio da Provedoria.

Ana Gomes encerra campanha com apelo ao voto: “Estas são eleições decisivas para a democracia”

A candidata Ana Gomes defende que participação nas eleições, marcadas para dia 24, é essencial para “reforçar a democracia”, que diz estar “sob ataque”, e “barrar os centrões de interesses” que têm prejudicado o desenvolvimento do país.

Pedro Nuno Santos agradece a Ana Gomes por não deixar socialistas “sozinhos” nas presidenciais

O governante apelou ao voto em Ana Gomes e sublinhou que a ex-diplomata é a única que defende o “socialismo democrático” e com a coragem necessária para “enfrentar quem sempre fez e desfez o país”.
Comentários