Pedaços de Cacau: novas e doces tentações de chocolate

Foi esta semana, na passada quarta-feira, que decorreu o lançamento oficial da marca de chocolates e bombons ‘Pedaços de Cacau’, no Hotel Pestana Vintage, na Ribeira do Porto, mas os produtos já estão disponíveis há cerca de três anos, embora de uma forma ainda pouco uniforme à escala nacional.

A Pedaços de Cacau proporciona delícias doces, autênticos pecados de cacau. São tabletes, bombons e lollypops com uma percentagem de cacau acima da média, ou seja, com um mínimo de 54%, elaborados de uma forma exclusivamente artesanal. O projeto nasceu da vontade de Raquel Lima, uma engenheira florestal que sempre quis ser empresária. Após um workshop, Raquel Lima decidiu aplicar as técnicas aprendidas. Apesar de ao início ser apenas um hobby, que permitia oferecer prendas artesanais e personalizadas aos amigos no Natal, esta opção viria a mudar por completo a sua vida e rapidamente se transformou numa alternativa de negócio e de carreira, beneficiando da qualidade dos produtos.

Raquel Lima avançou depois para o registo da marca, tendo a atividade sido muito alavancada pela atribuição do selo “Portugal Sou Eu”, o que lhe permitiu dedicar-se de forma exclusiva à Pedaços de Cacau desde o início deste ano. E os prémios não tardaram. Um deles foi para a tablete de chocolate com laranja e noz, que ganhou há pouco tempo a distinção de prata no concurso nacional de chocolates tradicionais 2017. A Pedaços de Cacau reclama que neste, como nos restantes produtos da empresa, manifesta a sua preocupação com a natureza e a sustentabilidade, utilizando, por isso, o chocolate belga proveniente de cacau plantado através de práticas sustentáveis na África Ocidental.

Para a nova empresária Raquel Lima, “é a qualidade do chocolate, a política de responsabilidade ambiental e a forma original como misturo os sabores e texturas que fazem da Pedaços de Cacau uma marca distinta”. A tablete que aqui apresentamos é uma mera sugestão: o leitor pode escolher bombons de limão, de mel, de caramelo ou de laranja; ou ainda tabletes de pimenta-rosa, amêndoa e coco, gengibre e canela, hortelã-pimenta, malagueta e flor de sal, entre outros produtos tentadores.

Recomendadas

PremiumJoão Garcia: “O alpinismo é um desporto justo. Não ganha quem tem mais dinheiro”

Em 1999 tornou-se no primeiro português a conquistar o Monte Evereste, numa expedição em que sofreu lesões graves e perdeu um companheiro de escalada. Onze anos mais tarde, foi o décimo alpinista do mundo a cometer a proeza de escalar todas as 14 montanhas com mais de oito mil metros sem recorrer a auxílio de oxigénio artificial nem carregadores de altitude.

PremiumJosé Dinis Lucas: O advogado português que viabilizou a segunda maior ponte do Brasil

Não bastou ao Estado da Bahia atrair os maiores grupos de construção da China para contratar a engenharia mais moderna do sector das infraestruturas de forma a projetar e construir a segunda maior ponte da América do Sul. Mas sem a intervenção de um advogado português esta obra que ligará Salvador a Itaparica dificilmente teria nascido, unindo brasileiros e chineses.

PremiumEmbraer em Évora muda de mãos

A partir de abril próximo, quando deverão estar concluídos todos os procedimentos administrativos e legais relativos à constituição da parceria entre a Boeing e a Embraer, anunciada há cerca de um ano e meio, a Boeing passará a gerir as duas unidades industriais antes controladas pelo grupo brasileiro em Évora.
Comentários