Pedro de Almeida é o novo Administrador Executivo da SIVA

Pedro de Almeida acaba de assumir o cargo de Administrador Executivo da SIVA, empresa responsável pela importação e comercialização dos modelos do Grupo VW em Portugal. O novo responsável desempenhará o cargo no quadriénio 2017-2020.

No âmbito do novo Conselho de Administração da SIVA – Sociedade Importadora de Veículos Automóveis – para o quadriénio 2017-2020, Pedro de Almeida acaba de assumir as funções de Administrador Executivo.

Pedro de Almeida, 53 anos, é licenciado em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico e Mestre em Administração e Marketing de Empresas pela Universidade Católica de Lisboa. Além da sua formação académica, possui uma vasta experiência em cargos de liderança a nível nacional e internacional, tendo o seu percurso no Grupo SAG começado em 2002 como Diretor Executivo da Multirent. De 2010 a 2016, foi CEO da Unidas, no Brasil, tendo passado a Presidente do Conselho de Administração em janeiro de 2017. É ainda membro do Conselho de Administração SAG GEST – Soluções Automóvel Globais SGPS S.A, desde 2006.

No seu percurso profissional passou também pelo Departamento de Vendas da Ford Lusitana, entre 1987 e 1992. No ano seguinte liderou o projeto “Viaturas Usadas” do Grupo Mocar. Entre 1994 e 1996 foi Diretor Comercial da Honda Automóvel, tendo assumido depois, e até 1999, a Direção de Marketing da Companhia Europeia de Seguros. De 1999 a 2000, foi Diretor Executivo da Sofinloc, cargo que ocupou também em 2001 no Banco Esfinge, em Madrid.

Recomendadas

PSD e PS chumbam moratórias nos pagamentos dos serviços de telecomunicações

Além de ter sido chumbada a possibilidade de criar moratórias nos pagamentos dos serviços de telecomunicações, o PCP viu PS, PSD, CDS-PP e PAN travar a proposta de implementar “medidas de salvaguarda”, o que impediria as operadoras de cortar serviços durante o Estado de Emergência.

Covid-19: Airbus anuncia redução de um terço na produção de aviões

O construtor europeu de aviões Airbus anunciou esta quarta-feira que vai fazer uma redução de um terço no ritmo de produção, adaptando as suas capacidades à evolução do mercado mundial de aeronáutica face à pandemia de covid-19.

Chineses desistem de comprar o BNI Europa

O contexto de incerteza na economia global causada pela pandemia da Covid-19 levou o Grupo chinês KWG a desistir de comprar 80,1% da participação do BNI Europa. Negócio estava alinhavado desde dezembro de 2017.
Comentários