Pedro de Almeida é o novo Administrador Executivo da SIVA

Pedro de Almeida acaba de assumir o cargo de Administrador Executivo da SIVA, empresa responsável pela importação e comercialização dos modelos do Grupo VW em Portugal. O novo responsável desempenhará o cargo no quadriénio 2017-2020.

No âmbito do novo Conselho de Administração da SIVA – Sociedade Importadora de Veículos Automóveis – para o quadriénio 2017-2020, Pedro de Almeida acaba de assumir as funções de Administrador Executivo.

Pedro de Almeida, 53 anos, é licenciado em Engenharia Mecânica pelo Instituto Superior Técnico e Mestre em Administração e Marketing de Empresas pela Universidade Católica de Lisboa. Além da sua formação académica, possui uma vasta experiência em cargos de liderança a nível nacional e internacional, tendo o seu percurso no Grupo SAG começado em 2002 como Diretor Executivo da Multirent. De 2010 a 2016, foi CEO da Unidas, no Brasil, tendo passado a Presidente do Conselho de Administração em janeiro de 2017. É ainda membro do Conselho de Administração SAG GEST – Soluções Automóvel Globais SGPS S.A, desde 2006.

No seu percurso profissional passou também pelo Departamento de Vendas da Ford Lusitana, entre 1987 e 1992. No ano seguinte liderou o projeto “Viaturas Usadas” do Grupo Mocar. Entre 1994 e 1996 foi Diretor Comercial da Honda Automóvel, tendo assumido depois, e até 1999, a Direção de Marketing da Companhia Europeia de Seguros. De 1999 a 2000, foi Diretor Executivo da Sofinloc, cargo que ocupou também em 2001 no Banco Esfinge, em Madrid.

Recomendadas

Preços predatórios continuam a dominar o setor da segurança privada

O problema do ‘dumping’ no negócio da segurança privada ainda não foi mitigado. A responsabilidade solidária imposta pela Lei da Segurança Privada, de julho, poderá contudo ser a solução.

Segurança privada. Contratação com prejuízo é uma prática generalizada

No geral, os preços de contratação da segurança privada continuam a ser feitos com prejuízo. A rentabilidade dos capitais próprios das empresas do setor é negativa e a lei da segurança privada impõe responsabilidade solidária ao cliente, o que pode contribuir para a redução das más práticas.

Diretiva Netflix: Cofina quer apostar na criação de conteúdos para exportar

À boleia das novas regras europeias que exigem que plataformas como a HBO ou a Netflix tenham 30% de conteúdos europeus, a Cofina espera “intensificar a criação de conteúdos de perfil exportador”, após a compra da Media Capital, dona da Plural, produtora de conteúdos.
Comentários