PremiumPedro Gouveia Alves: “Enquanto cidadãos devemos defender Portugal na UE”

Presidente do Montepio Crédito considera que a adesão à União Europeia trouxe “mais benefícios do que riscos” e ajudou Portugal durante a crise.

O presidente do Montepio Crédito, Pedro Gouveia Alves, considera que se Portugal não pertencesse à União Europeia (UE) dificilmente ultrapassaria a crise financeira, que obrigou à entrada da troika no país. Pedro Gouveia Alves lembra que cerca de dois terços das exportações portuguesas vão para Estados-membros e defende que Portugal tem beneficiado muito dos acordos comunitários.

“Enquanto cidadãos e gestores devemos pautar-nos pela defesa de Portugal na UE e de Portugal a participar ativamente nas estruturas europeias”, afirmou Pedro Gouveia Alves, no mais recente debate do ciclo de conversas mensais “30 a 3”, promovido pelo Jornal Económico e pelo Montepio Crédito, que teve como convidada a eurodeputada do PSD Cláudia Monteiro Aguiar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

“30 a 3”. Montepio Crédito debate “Logística & Transportes: preparar o futuro”. Assista em direto

Esta segunda-feira, dia 1, pelas 11 horas, o “30 a 3” dedica especial atenção do setor da Logística e dos Transportes. Numa conversa moderada pelo diretor adjunto do Jornal Económico, Shikresh Laxmidas, Pedro Gouveia Alves, presidente do Montepio Crédito debate este tema com protagonistas do setor.

“30 a 3”. Montepio Crédito debate “Logística & Transportes: preparar o futuro”

A web conference, que terá início às 11 horas e uma duração aproximada de 50 minutos, será transmitida em direto no Facebook do Montepio Crédito e no site do Jornal Económico.

Especialistas defendem que união fiscal é chave para a união política europeia

No Webinar “O futuro da União Europeia”, uma iniciativa da Antas da Cunha ECIJA, Ana Gomes defendeu que “as questões da fiscalidade têm de passar a ser assumidas como uma questão europeia. A questão de recursos próprios europeus que dependem de impostos europeus, que não sejam o IVA — temos 50 mil milhões de euros de receitas de IVA por ano a financiarem organizações mafiosas e terroristas”, é importante.
Comentários