Pedro Nuno Santos defende Medina e critica quem tenta obter “ganhos políticos”

Estas posições de Pedro Nuno Santos, atual ministro das Infraestruturas e, tal como Fernando Medina, apontado como potencial candidato à sucessão de António Costa na liderança do PS, assumiu estas posições numa publicação na sua página pessoal na rede social Facebook.

Pedro Nuno Santos

O dirigente socialista Pedro Nuno Santos saiu hoje em defesa do presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), afirmando que Fernando Medina não pactua com desrespeito dos direitos humanos e criticando quem tem tentado “obter ganhos políticos”.

Estas posições de Pedro Nuno Santos, atual ministro das Infraestruturas e, tal como Fernando Medina, apontado como potencial candidato à sucessão de António Costa na liderança do PS, assumiu estas posições numa publicação na sua página pessoal na rede social Facebook.

“A hipocrisia e o cinismo como armas de combate político corroem a nossa democracia”, escreveu o antigo líder da JS e ex-presidente da Federação de Aveiro do PS.

Pedro Nuno Santos referiu depois que “todos sabem o que aconteceu no caso do envio de dados pessoais de ativistas russos; todos sabem que, neste caso, foi seguido o mesmo procedimento automático que sempre foi seguido; todos sabem que a Câmara Municipal de Lisboa, quando confrontada, não com as notícias, mas com a reclamação de um dos ativistas, atuou e alterou esses mesmos procedimentos”.

“Todos sabem que a Câmara Municipal de Lisboa assumiu e lamentou o erro; todos sabem que Fernando Medina não pactua com o desrespeito pelos mais elementares direitos humanos, entre eles o direito à manifestação. Todos sabem isto, mas, no universo político partidário, a maioria não deixou de ignorar o que sabe para tentar obter ganhos políticos”, acusou o membro do Governo.

Pedro Nuno Santos assumiu que aquilo que aconteceu com este caso de partilha de dados pessoais de manifestantes anti-Putin com a embaixada da Rússia “é grave”, adiantando que “o que aconteceu não pode nunca mais acontecer”.

“Os procedimentos têm de ser menos automáticos e mais ajustados às situações concretas, o que, aliás, a CML assumiu e corrigiu. Mas a crítica tem de ser essa e não um aproveitamento cínico que mina a democracia e nos desprestigia a todos”, contrapôs.

Pedro Nuno Santos manifestou-se depois convicto que “ninguém tem dúvidas da adesão incondicional de Fernando Medina aos valores da liberdade e da democracia”.

“Façamos todos o mesmo que ele fez: Reconhecer o erro, perceber porque aconteceu, aprender e corrigir para que não volte a acontecer”, acrescentou.

Os jornais Expresso e Observador noticiaram na quarta-feira que a Câmara Municipal de Lisboa fez chegar às autoridades russas os nomes, moradas e contactos de três ativistas russos que organizaram em janeiro um protesto, em frente à embaixada russa em Lisboa, pela libertação de Alexey Navalny, opositor do Governo russo.

Em conferência de imprensa, ao fim da manhã de quinta-feira, Fernando Medina admitiu que foi feita a partilha de dados pessoais dos três ativistas, pediu “desculpas públicas” e assumiu que foi “um erro lamentável que não podia ter acontecido”.

Os três ativistas russos, cujos dados foram partilhados, anunciaram que vão apresentar uma queixa na justiça contra a câmara municipal.

Na conferência de imprensa, o autarca explicou que a partilha de dados resultou de “um funcionamento burocrático” da autarquia sobre realização de manifestações, entretanto já alterado em abril: Os promotores de uma qualquer manifestação devem comunicá-la à câmara até 48 horas antes da data, indicando o local, hora e dados de quem organiza.

Esses dados são partilhados com a PSP, o Ministério da Administração Interna e “as entidades onde a manifestação se vai realizar”, explicou Fernando Medina. Neste caso, a entidade era a embaixada da Rússia em Lisboa.

“É aqui que há o erro da câmara, tratando-se desta manifestação esta informação não podia ter sido transmitida”, disse.

No entanto, a explicação de que a embaixada da Rússia foi informada “por ser esse o local da realização da manifestação” contradiz uma explicação dada em 2019 pela Câmara de Lisboa, de que uma embaixada é informada “sempre que um país é visado pelo tema de uma manifestação”, independentemente do local onde se realiza.

O caso originou uma onda de críticas e pedidos de esclarecimento da Amnistia Internacional e de partidos políticos, nomeadamente do PSD, CDS-PP, Bloco de Esquerda, PCP, Iniciativa Liberal, Livre e Volt Portugal.

À margem das comemorações do Dia de Camões, de Portugal e das Comunidades Portuguesas, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, disse aos jornalistas que a partilha de dados foi lamentável.

“Realmente é lamentável que isso tenha acontecido, e percebo o pedido de desculpa do senhor presidente da Câmara Municipal de Lisboa. O que ele disse é, no fundo, aquilo que todos os responsáveis sentem, que não devia acontecer, não devia ter acontecido e espera-se que não volte a acontecer”, considerou.

Carlos Moedas, candidato do PSD à Câmara de Lisboa, pediu a demissão de Fernando Medina e o partido Aliança disse que vai participar o caso à Procuradoria-Geral da República.

À noite, na RTP, Fernando Medina desvalorizou os pedidos de demissão, apelidando-os de “delírio de oportunismo político”: “Estamos num tempo político em que o aproveitamento político é muito evidente”.

Entretanto, a Comissão Nacional de Proteção de Dados fez saber que abriu um processo de averiguações à partilha de dados pessoais dos três ativistas russos.

 

Relacionadas

Rússia: Medina pediu auditoria sobre realização de outras manifestações em Lisboa (com áudio)

O presidente da Câmara de Lisboa anunciou que pediu uma auditoria sobre a realização de manifestações no município nos últimos anos, no seguimento da partilha indevida de dados de ativistas russos.

Ativistas russos vão apresentar queixa contra Câmara Municipal de Lisboa

Os ativistas russos cujos dados foram partilhados anunciaram hoje que vão apresentar uma queixa na justiça contra a Câmara Municipal de Lisboa para que tal “não volte a acontecer” com cidadãos portugueses.

Dados dos ativistas russos: “Um erro lamentável e que não devia ter acontecido”, diz Fernando Medina

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa fez um pedido de desculpas público aos organizadores da manifestação em defesa de Alexei Navalny. Autarquia não facultará mais nenhum dado relativamente a nenhum promotor de manifestação ou entidade, com exceção da Polícia de Segurança Pública.
Recomendadas

Iniciativa Liberal compara-se a Santo António em arraial com sardinhas e bifanas

 O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, comparou este sábado o partido ao Santo António, dizendo que é “o martelo dos inimigos da liberdade”, num arraial comício com centenas de pessoas, sardinhas e bifanas.

CML/Rússia. Governo diz que queixa recebida também era dirigida às “entidades competentes”

O Governo reconheceu este sábado que os serviços de dois ministérios receberam uma queixa enviada em março por ativistas cujos dados foram partilhados pela câmara de Lisboa, mas “não suscitou diligências” porque também era dirigida “às entidades competentes”.

José Luís Carneiro declina candidatura socialista à Câmara do Porto

“Apesar de apelos de muitos militantes, simpatizantes, cidadãos e instituições da cidade para que reponderasse a decisão relativa à candidatura à Câmara do Porto e aceitasse ser candidato, e depois de muito ponderar, reiterei à concelhia e federação do PS a minha indisponibilidade”, afirmou.
Comentários