Pedro Nuno Santos: “Não queremos nacionalizar a Groundforce”

O ministro rejeitou hoje as acusações do acionista privado da empresa de handling.

Pedro Nuno Santos

O ministro das Infraestruturas rejeitou hoje que o Governo queira nacionalizar a Groundforce, empresa que se encontra numa situação económica difícil e com os salários de 2.400 trabalhadores em atraso.

“Não queremos ficar com a Groundforce. A TAP não pode manter a posição na empresa de handling. Não está em causa querer nacionalizar a companhia”, afirmou Pedro Nuno Santos esta quinta-feira.

A Groundforce é detida em 50,1% pela Pasogal, de Alfredo Casimiro, com o grupo TAP a deter 49,9%, com a companhia aérea a ser detida em 72% pelo Estado português.

O ministro adiantou que a Groundforce já está a dever 12,3 milhões de euros à TAP e que a companhia aérea não pode correr riscos, pois ela própria encontra-se numa situação de “grande dificuldade” e a negociar um plano de reestruturação com Bruxelas”.

“A TAP tem feito um grande esforço para apoiar a Groundforce, e tem a haver 12,3 milhões de euros de adiantamentos por serviços prestados e não prestados para apoiar a empresa de forma a poder pagar salários”, afirmou.

“Era impossível a TAP continuar a exportar para a Groundforce sem exigir garantias que protegessem a TAP”, destacou.

Ler mais
Relacionadas

TAP propôs à Groundforce pagar 100% do empréstimo até 31 de agosto

Segundo a carta de resposta enviada pela TAP à Groundforce, 50% do empréstimo de dois milhões de euros teria de ser saldado até ao final de março, com o restante valor a ser pago em tranches até ao final de agosto. Caso a Groundforce recebesse o empréstimo de 30 milhões de euros que está a negociar, teria de saldar imediatamente a dívida.
Recomendadas

Apritel afrima que Portugal está “na liderança da descida de preços nos pacotes” de comunicações

A associação aponta que “mais uma vez o preço das comunicações desce mais em Portugal do que na Europa” e que o país está “na liderança da descida de preços nos pacotes de comunicações”, subscritos por 88% das famílias portuguesas.

Portugal respondeu a Bruxelas sobre atraso na adoção de diretiva das telecomunicações dez dias depois do prazo

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados por Portugal para explicar o atraso na adoção da diretiva europeia. Dos 24 Estados-membro alvo de um processo de infração apenas a Dinamarca concluiu a transposição. Há 15 países na mesma situação que Portugal.

Transportes ferroviários e alfândegas são os principais obstáculos ao desenvolvimento do sector logístico em Portugal

“Relativamente à utilização dos diferentes modos de transporte, continua a verificar-se uma forte dependência do transporte rodoviário, com impactos negativos ao nível da sustentabilidade ambiental”, destaca, em exclusivo ao Jornal Económico, Raul de Magalhães, presidente da Aplog, referindo-se a um das conclusões do estudo feito em parceria com a consultora KPMG.
Comentários