Pedro Pinto retira candidatura e deixa Adão Silva sozinho na corrida a líder parlamentar do PSD

O deputado Pedro Pinto não conseguiu os apoios necessários para concorrer à sucessão de Rui Rio na liderança da bancada ‘laranja’. “Há caminhos que não se fazem sozinho. Por isso, decidi não apresentar a minha candidatura a presidente do grupo parlamentar”, explicou num texto enviado aos 79 deputados do PSD.

Adão Silva, vice-presidente do grupo parlamentar do PSD | Flickr/PSD

O deputado e antigo vice-presidente do Partido Social Democrata (PSD) Pedro Pinto retirou a candidatura à liderança do grupo parlamentar social-democrata. Pedro Pinto não conseguiu os apoios necessários para concorrer à sucessão de Rui Rio na liderança da bancada ‘laranja’ e deixa assim Adão Silva, deputado e atual vice-presidente do grupo parlamentar, sozinho na corrida.

“A minha certeza da necessidade de mudança, que sei que é partilhada por muitos de vós, mantém-se e não esmorecerá em momento algum (…) Mas há caminhos que não se fazem sozinho. Por isso, decidi não apresentar a minha candidatura a presidente do grupo parlamentar“, anunciou Pedro Pinto, numa mensagem enviada aos 79 deputados que constituem o grupo parlamentar do PSD, do qual faz parte.

Pedro Pinto, que sempre se assumiu como crítico de Rui Rio, diz que a sua vontade de mudança na bancada “colide com o receio que todas as mudanças transportam e com o conforto do conhecido, vencendo assim a audácia de alguns, conduzindo à imobilização de todos”, mas vai continuar a defender os valores em que acredita “não deixando, na Assembleia da República e no partido, de por eles lutar intransigentemente”.

“Sei que, por vezes, o nosso tempo não é o tempo da maioria. Sei que nesses momentos é necessário aguardar e caminhar lado a lado. Nesses momentos, ensinou-me a experiência, é necessário aguardar que a audácia vença a inércia e que todos possamos, em conjunto, construir as necessárias transformações para que possamos fazer mais e melhor pelos portugueses”, refere ainda o antigo ‘vice’ do ex-líder Pedro Passos Coelho.

Segundo o regulamento interno do grupo parlamentar do PSD, as listas que concorrem à direção da bancada devem ser subscritas por um mínimo de 5% dos deputados, o que, com a atual geometria parlamentar, corresponde a quatro deputados. Ou seja, as listas que se apresentarem a estas eleições têm de ser subscritas por, pelo menos, quarto deputados, que não podem ser os mesmos que os nomes propostos para a direção.

As eleições para a direção do grupo parlamentar do PSD estão marcadas para esta quinta-feira, dia 17. Os deputados têm até esta terça-feira às 18h00 para apresentarem as listas concorrentes, sendo certo de que haverá pelo menos uma lista liderada por Adão Silva, que contará com o apoio do presidente do PSD, Rui Rio, tal como tinha anunciado em março, antes de a eleição ser adiada devido à pandemia da Covid-19.

Adão Silva deverá manter os nomes que propôs há seis meses, que passam pela recondução dos atuais ‘vices’ (Carlos Peixoto, Luís Leite Ramos, Clara Marques Mendes, Ricardo Baptista Leite e Afonso Oliveira) e pela inclusão da deputada Catarina Rocha Ferreira na vice-presidência.

Ler mais
Recomendadas

Parlamento discute hoje e vota referendo sobre a eutanásia na sexta-feira

O parlamento discute hoje e vota na sexta-feira uma proposta de referendo sobre a eutanásia, que divide direita e esquerda, mas em que há um bloco maioritário para a “chumbar”, do PS, BE, PCP, PAN e PEV.

OE2021: Federação sindical pediu alterações ao BE e ao PS

A Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP) pediu hoje aos deputados do Bloco de Esquerda e do Partido Socialista que proponham alterações ao Orçamento do Estado (OE) para 2021 que respondam às reivindicações dos funcionários públicos.

Marcelo promulga diploma que reduz debates europeus na AR para dois por semestre

O Presidente da República promulgou hoje o diploma aprovado por PS e PSD que reduz os debates europeus no parlamento para dois por semestre, depois de ter vetado uma primeira versão que previa apenas um por semestre.
Comentários