Compra da SIVA pela Porsche: Banca perdoa 116 milhões

A operação da venda da SIVA só se tornou possível depois de a banca ter perdoado 16.049.634 de euros de dívida bancária à SAG e 100 milhões à SIVA, decorrentes de dois processos especiais de revitalização com o apoio dos bancos credores.

A SAG – Soluções Automóvel Globais anunciou na terça-feira, 30 de abril, ter alcançado um acordo que permite vender à Porsche a principal empresa do grupo, a SIVA, por apenas um euro, tal como o Jornal Económico noticiou. De acordo com o comunicado enviado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a operação da venda da SIVA só se tornou possível depois de a banca ter perdoado 16.049.634 de euros de dívida bancária à SAG e 100 milhões à SIVA.

O perdão da dívida bancária superior a 116 milhões de euros decorre de dois processos especiais de revitalização com o apoio da bancos credores. Só assim, com o perdão de grande parte da dívida do grupo automóvel SAG, cujo maior acionista é o empresário João Pereira Coutinho, é que a venda da SIVA se tornou possível.

De acordo com o documento da CMVM, os bancos credores da SAG são BCP, BPI e Novo Banco. E, segundo o semanário “Expresso”, está assim previsto o perdão de 10 milhões de euros pelo BCP; 5,3 milhões pelo Novo Banco; e 466 mil euros pelo BPI. Por receber ficarão 57 milhões de euros, cuja dívida será saldada com o pagamento de um milhão de euros até 2029 – ano em que serão reembolsados 47 milhões de euros.

No caso da SIVA, o perdão de 100 milhões de euros poderá aumentar para valores mais elevados, caso isso seja necessário para a principal empresa do grupo SAG  ficar com uma situação patrimonial positiva. Este perdão envolve também BCP, Novo Banco e BPI e, ainda, a Caixa Geral de Depósitos. Primeiramente, o que está previsto é o perdão 100 milhões de euros e diferir para mais tarde o pagamento de outros 20 milhões de euros. O passivo total da SIVA ronda os 166 milhões de euros.

O valor total do perdão da dívida bancária tem particular relevância, quando a dívida líquida consolidada no final de dezembro de 2018 era de 129,1 milhões, registando um aumento de quatro milhões em relação ao valor do final do ano de 2017.

Ontem, a SAG apresentou também ao mercado os resultados de 2018, tal como o Jornal Económico noticiou, bem como o lançamento de uma oferta pública de aquisição. No ano passado, o grupo obteve um resultado líquido consolidado negativo de 176,9 milhões de euros. Os capitais próprios registados são 169,2 milhões negativos.

Ler mais
Relacionadas

Porsche quer assumir gestão da SIVA até ao fim do ano

“A médio prazo, Portugal irá ser uma das nossas maiores operações de importação com cerca de 30.000 novos veículos por ano”, disse o CEO da Porsche Holding Salzburg, Hans Peter Schützinger.

É oficial: já há acordo para a Porsche comprar a SIVA por 1 euro

A SIVA vai ser vendida aos alemães da Porsche Holding, a distribuidora de automóveis do grupo Volkswagen. A operação também foi aceite pelo BCP, pela CGD e pelo Novo Banco, que são credores da SAG e da SIVA. João Pereira Coutinho lança uma OPA sobre a SAG, para tirar empresa de bolsa.

SAG com prejuízos de 176,9 milhões e capitais próprios negativos em 169,2 milhões

A Dívida Líquida Consolidada no final de Dezembro de 2018 era 129,1 milhões, registando um aumento de 4,0 milhões em relação ao valor do final do ano de 2017.
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários