Petroleiro britânico apreendido: Londres convoca encarregado de negócios iraniano

O encarregado de negócios iraniano é chamado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico um dia depois do anúncio da captura pelo Irão de um petroleiro com bandeira do Reino Unido, o navio “Stena Impero”, no estreito de Ormuz, incidente que está a gerar um novo episódio de tensão na região do Golfo.

A diplomacia britânica convocou hoje o encarregado de negócios iraniano no Reino Unido, na sequência da apreensão pelas autoridades de Teerão de um petroleiro de pavilhão britânico, divulgou fonte governamental.

O encarregado de negócios iraniano é chamado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico um dia depois do anúncio da captura pelo Irão de um petroleiro com bandeira do Reino Unido, o navio “Stena Impero”, no estreito de Ormuz, incidente que está a gerar um novo episódio de tensão na região do Golfo.

Numa nota informativa hoje divulgada, o chefe da diplomacia britânica, Jeremy Hunt, afirmou que a apreensão do “Stena Impero” revela “sinais preocupantes de que o Irão poderá escolher um caminho perigoso de comportamento ilegal e desestabilizador”.

Hoje de manhã, o Reino Unido já tinha classificado a apreensão como um ato “perigoso” e pedido aos navios britânicos para evitarem o estreito de Ormuz, uma passagem marítima vital para o tráfego mundial de petróleo, durante um “período provisório”.

O petroleiro, propriedade de uma companhia sueca, foi capturado na sexta-feira e hoje vários países europeus (França e a Alemanha) exortaram as autoridades iranianas a libertarem o petroleiro britânico.

Na sexta-feira, os Guardas da Revolução iranianos anunciaram que tinham “confiscado” o petroleiro, alegando que a embarcação tinha desrespeitado o código marítimo internacional e os pedidos da autoridade portuária e marítima da província de Hormozgan.

Numa mensagem publicada hoje na rede social Twitter, o ministro iraniano dos Negócios Estrangeiros, Mohamad Yavad Zarif, exigiu ao Reino Unido que deixe de ser “cúmplice” das sanções dos Estados Unidos contra o Irão.

“O Reino Unido deve deixar de ser cúmplice do terrorismo económico dos Estados Unidos”, escreveu Zarif na sua conta pessoal no Twitter, numa referência às sanções impostas pela administração norte-americana ao Irão depois de Washington se ter retirado unilateralmente do acordo nuclear assinado em 2015.

A decisão das autoridades iranianas de capturar o “Stena Impero” acontece depois do Tribunal Supremo de Gibraltar ter prorrogado por mais 30 dias a apreensão de um petroleiro iraniano, retido desde 04 de julho naquele território ultramarino britânico situado no extremo sul de Espanha.

A embarcação é suspeita da entrega de petróleo bruto à Síria, o que representa uma violação das sanções europeias contra o regime de Damasco.

Ler mais
Relacionadas

Irão pede a Reino Unido que não seja cúmplice do “terrorismo económico” dos EUA

Na sexta-feira, os Guardas da Revolução iranianos anunciaram que tinham “confiscado” um petroleiro britânico, o “Stena Impero”, no estreito de Ormuz, por, disseram, “não respeito do código marítimo internacional”.

França e Alemanha querem que Irão liberte de imediato petroleiro capturado

O navio Stena Impero, de pavilhão britânico, está no porto de Bandar Abbas, no estreito de Ormuz, com os 23 tripulantes no seu interior por motivos de segurança, de acordo com os responsáveis iranianos.

Irão anuncia captura de petroleiro britânico

Esta situação acontece no mesmo dia em Gibraltar estendeu por trinta dias o período de retenção do petroleiro iraniano Grace 1, retido há quase duas semanas neste território por suspeitas transporte de crude para a Síria.
Recomendadas

Cerca de 7000 pessoas em fuga do Níger

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados refere que estas pessoas estão em fuga devido à insegurança e à violência gerada por um ataque à cidade de Chinégodar.

Líbia: Merkel diz que houve acordo para respeitar embargo das armas

A chanceler da Alemanha diz que o embargo será controlado de forma mais rigorosa do que antes.

“Racismo” e “preconceito”. Isabel dos Santos reage a investigação jornalística a nível mundial

Os Luanda Leaks têm 715 mil documentos, entre e-mails, contratos, auditorias, e contas que foram obtidas por uma plataforma de denunciantes em África (PPLAAF), que depois foi partilhada com a ICIJ.
Comentários