PGR brasileira diz que corte de verbas destinadas às universidades é ilegal

“O bloqueio de 30% dos recursos imposto pelo Ministério da Educação (MEC) a instituições federais de ensino superior é inconstitucional, pois fere o princípio da separação de poderes e a autonomia universitária na sua tríplice vertente: didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial”, destacou o órgão brasileiro num comunicado.

O bloqueio das verbas das universidades públicas que foi anunciado pelo Governo do Brasil é inconstitucional porque fere a separação de poderes e a autonomia universitária, considerou hoje a Procuradoria-Geral da República (PGR).

“O bloqueio de 30% dos recursos imposto pelo Ministério da Educação (MEC) a instituições federais de ensino superior é inconstitucional, pois fere o princípio da separação de poderes e a autonomia universitária na sua tríplice vertente: didático-científica, administrativa e de gestão financeira e patrimonial”, destacou o órgão brasileiro num comunicado.

A PGR explicou que este posicionamento foi retirado de um parecer da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), órgão que integra o Ministério Público Federal brasileiro, e que foi consultado pela PGR para apresentar recursos a um posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF).

A PGR destacou que o bloqueio de recursos realizado pelo MEC recaiu sobre ações orçamentárias específicas, com ênfase nos grupos das despesas investimentos e custeio – gerando impactos diversos nas universidades.

O órgão também esclareceu que os cortes financeiros impostos pelo Governo ao MEC foi de 24,7%, enquanto a maior parte das instituições de ensino tiveram bloqueio de recursos superiores a 30% – chegando, em alguns casos, a mais de 50%.

“Chama atenção o dado de que o desinvestimento realizado por meio desse bloqueio de recursos atinge de forma acentuada as instituições de educação que se encontram principalmente nas regiões Norte e Nordeste”, refere-se no relatório citado pela PGR.

“A opção vai na contramão de inúmeras pesquisas que demonstram que a estratégia de descentralização das instituições federais de ensino foi fundamental para ampliar o acesso à educação superior e gerar mais inclusão e igualdade”, acrescentou.

Na quarta-feira, dezenas de manifestações contra o bloqueio dos recursos federais para a educação foram organizados em todos os estados do Brasil.

Alunos e professores, que estudam em universidades e escolas públicas e privadas, aderiram às paralisações convocadas por entidades ligadas a sindicatos, movimentos sociais, movimentos estudantis e partidos políticos.

Ler mais
Recomendadas

Londres deixa de participar na maior parte das reuniões da União Europeia a 1 de setembro

“Muitas das discussões nestas reuniões com a UE têm a ver com a União depois da saída do Reino Unido. Libertar os representantes dessas reuniões permite que eles concentrem melhor os seus talentos nas prioridades nacionais imediatas”, afirmou Steve Barclay.

“O ideal era que todos saíssem vivos, mas preferimos salvar os reféns”, diz governador do Rio de Janeiro após sequestro

Wilson Witzel parabenizou o trabalho do BOPE e lamentou a morte do sequestrador. Aos jornalistas, o governador do Rio de Janeiro apelou para que “este tipo de atrocidade” não se volte a repetir e anunciou que a família do criminoso terá acompanhamento.

Nave espacial indiana chega à órbita lunar

A nave foi lançada a partir da base de descolagem Sriharikota, no sudeste indiano, a 22 de julho, uma semana depois da primeira tentativa de lançamento ter tido problemas técnicos e adiado.
Comentários