PIB da Dinamarca com queda trimestral histórica. Economia contrai 7,4%

O organismo de estatísticas dinamarquês refere que, “apesar da queda recorde”, o país foi menos afetado do que a União Europeia no seu conjunto, uma vez que a média da contração é de 11,9%.

A economia dinamarquesa caiu 7,4% no segundo trimestre em comparação com os três meses anteriores, segundos os dados divulgados esta sexta-feira pelo Danmarks Statistik.

A contração do Produto Interno Bruto (PIB) da Dinamarca foi histórica, tratando-se da maior queda desde que há registos deste indicador por trimestres, o que remonta ao início da década de 1990.

A percentagem supera, assim, o recorde do último trimestre de 2008, aquando da crise financeira, que levou o PIB do país a cair 2,4%. Desta vez, foi a pandemia e o consequente encerramento parcial da atividade económica decretado no início de março que motivou este abalo em cadeia.

“Apesar da queda recorde, a Dinamarca foi menos afetada do que a União Europeia no seu conjunto”, pode ler-se no relatório do organismo de estatística dinamarquês. Em causa está o facto de a queda média nos 27 Estados-membros neste período ter sido de 11,9%.

O documento ressalva ainda que, depois de um primeiro trimestre “relativamente forte”, o indústria viu-se impactada pela crise sanitária. “Além disso, há grandes contribuições negativas a serem identificadas na produção privada de serviços, onde especialmente comércio, transporte, hotéis e restaurantes, bem como cultura e lazer, são afetados pela retração e queda da procura global. Ao mesmo tempo, as indústrias ligadas à agricultura, extração de matéria-primas, financeiro e construção foram menos afetados pela Covid-19”, ainda o mesmo instituto.

Ler mais

Recomendadas

Regresso às aulas: Bloco de Esquerda que ouvir ministro da Educação no Parlamento

“O primeiro ministro veio agora correr atras do prejuízo” e anunciou que agora “serão contratados mais 1.500 funcionários”, uma medida que segundo o Bloco de Esquerda deveria ter sido anunciada mais cedo.

Iniciativa Liberal vê Plano de Resiliência como “indício de uma oportunidade perdida”

João Cotrim Figueiredo reagiu ao Plano de Recuperação e Resiliência com críticas ao “dirigismo” e “aspetos propagandísticos” de um documento em que apenas um terço das verbas se destinam a investimento reprodutivo, com recapitalização das empresas e geração de emprego.

Número de desempregados dispara 34% em agosto. Algarve com subida de 177%

Por regiões, todas registaram um aumento dos pedidos de desemprego, exceto os Açores, onde desce 1,3%. Já o Algarve registou a maior subida de pedidos de emprego, mais 177,8% face a 2019.
Comentários