PIB da Madeira pode diminuir entre 16% e 20% já este ano, diz Pedro Calado

O governante realçou que a estratégia de futuro vai passar pela construção de uma economia menos dependente do setor da construção e do turismo.

O Vice-Presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, afirmou na passada segunda-feira, durante uma apresentação do Orçamento Suplementar da Região, que a redução do PIB da Madeira pode variar entre os 16% e os 20% já este ano.

“Temos uma economia pequena que depende em quase 60% de dois setores de atividade: a construção e obras públicas e o setor do turismo (cerca de 26,6% do PIB)”, salientou.

Desta forma, o governante explicou que num cenário de perda de 16% do PIB o desemprego pode crescer dos 7%, onde se situava no final de 2019, até aos 12%. No cenário mais agressivo, de diminuição de 20% do PIB, este pode mesmo chegar aos 17%, ainda este ano.

Pedro Calado realçou que a estratégia de futuro vai passar pela construção de uma economia menos dependente do setor da construção e do turismo. O objetivo é “fazer com que estes setores continuem a crescer, mas que se criem alternativas, sobretudo na área do conhecimento, da investigação, e noutras áreas que permitam à Madeira ter outros tentáculos de desenvolvimento”.

Orçamento de 2021

Para o Orçamento da Região de 2021, que deverá ser apresentado em outubro deste ano, o governante sublinhou que o Executivo regional quer criar condições para que a Madeira seja atrativa em matéria fiscal para novos investimentos, quer nacionais, quer internacionais.

“A Madeira não tem condições para manter o seu posicionamento e a sua independência financeira, se mantivermos o mesmo quadro fiscal que temos neste momento. Estamos a falar apenas de uma redução até 30% dos valores já definidos a nível nacional, isso não chega. Aquilo que vamos fazer já para o Orçamento de 2021 é tentar criar condições para que a Madeira possa progredir de uma forma mais autónoma em termos fiscais”, referiu.

Questionado sobre um possível agravamento dos impostos, o Vice-Presidente do Governo Regional frisou que está fora dos planos qualquer agravamento fiscal. Aliás, disse ainda que o objetivo é precisamente o contrário: reduzir a carga fiscal para que se consiga atrair investimento.

“Nós não podemos criar incentivo à produção aumentando os impostos, o nosso objetivo será bem diferente, temos de reduzir os impostos para tornar o mercado mais apetecível. E, se assim acontecer, temos a certeza de que as empresas investirão aqui na Região, produzirão mais aqui na Região, vão criar mais postos de trabalho, vai haver mais massa monetária em circulação, as pessoas vão ter o seu rendimento disponível e isso sim faz com que a economia volte a crescer novamente, como nós tínhamos vindo a fazer até aqui”, salientou.

O governante realçou, sobre este assunto, que tem pedido à República que ajude a Região a criar condições para que seja possível fazer este caminho.

Novo Hospital da Madeira

Relativamente à obra do Novo Hospital da Madeira, Pedro Calado explicou que o valor que estava estipulado para o concurso, de 205 milhões de euros, revelou-se insuficiente dada a situação atual de pandemia, em que muitas empresas foram afetadas. O concurso que terminou há um mês atrás ficou deserto, pelo que agora será necessário lançar um novo concurso.

O governante referiu que o concurso ficará terminado ainda este ano para que a obra possa começar no início do próximo ano.

“Não vamos pôr em causa a obra do Novo Hospital, não é posto em causa o financiamento que já estava assegurado e que se vai manter assegurado. Nós vamos sim tentando arranjar soluções e vamos encontrar soluções para todos os obstáculos que nos forem surgindo ao longo do caminho”, destacou, acrescentando que “com Covid ou sem Covid, vai haver o Novo Hospital da Madeira”.

Relacionadas

Covid-19: Orçamento Suplementar da Madeira com reforço de 287,7 milhões de euros e sem agravamento fiscal

A proposta de Orçamento Suplementar da Madeira adiciona 287,7 milhões de euros ao valor aprovado para 2020, passando de 1.743 milhões de euros para 2.030 milhões, indicou hoje o vice-presidente do Governo Regional, sublinhando que não haverá qualquer agravamento fiscal.

Orçamento Suplementar: Madeira prevê receber menos 187 milhões de euros em impostos

As perdas de IRS, IRC e IVA, estão estimadas em 48, 50 e 54 milhões de euros, entre as propostas de Orçamento Regional e Orçamento Suplementar.

Orçamento Suplementar da Madeira contempla endividamento de 489 milhões de euros

O Orçamento Suplementar da região autóma inclui a autorização de endividamento líquido prevista no Orçamento Suplementar do Estado, correspondente a 10% do Produto Interno Bruto (PIB) regional de 2018, esclareceu o vice-presidente do executivo.
Recomendadas

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.

Região do Alentejo espera aumentar produção de vinho até 10% este ano

Segundo as previsões da Universidade do Porto, a região vitivinícola do Alentejo estima aumentar a produção para 120 milhões de litros de vinho, contra os 113 milhões de litros produzidos no ano passado, o que já representou uma subida de 15% face a 2019.

Associações deixam comissão sobre estratégia dos cereais e culpam Governo

Em causa está a “evidente falta de compromisso” do Ministério da Agricultura em aplicar esta estratégia, sobretudo, após ter remetido às confederações um documento relativo às decisões sobre os pagamentos diretos 2022 da Política Agrícola Comum (PAC).
Comentários