PIB per capita de Portugal é o quarto mais baixo da zona euro

Os dados revelados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pelo Eurostat mostram que a riqueza gerada por habitante caiu, apesar de a economia ter crescido no ano passado ao ritmo mais elevado desde 2000.

O Produto Interno Bruto (PIB) per capita, expresso em paridade de poder de compra, recuou para 76,6% da média da União Europeia (UE). Os dados revelados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pelo Eurostat mostram que a riqueza gerada por habitante caiu, apesar de a economia ter crescido no ano passado ao ritmo mais elevado desde 2000.

O PIB per capita em Portugal recuou 0,8 pontos percentuais em 2017 face à percentagem registada no ano anterior. Portugal apresentou a quarta riqueza gerada por habitante mais baixa entre os 19 estados-membros da zona euro, atrás da Estónia (78,8), da Lituânia (78,4) e à frente da Eslováquia (76,2%), Grécia (67,2%) e Letónia (66,8%).

Entre os 28 Estados-membros da UE, destaca-se o Luxemburgo com o maior índice de volume de riqueza gerada por habitante (253% da média da UE), ou seja, mais de duas vezes e meia acima da média dos estados-membros da UE. A percentagem é também cinco vezes maior do que a da Bulgária, que é o país da UE com o valor mais baixo (com 49,3%). Fora da UE, a Albânia surge em último lugar da lista, com 30,5%.

Em termos nominais, o PIB per capita de Portugal em 2017 apresentou um crescimento positivo (4,6%), determinado pelo aumento nominal do PIB (4,4%) e pela diminuição da população (-0,24%).

O INE adverte, no entanto, que estes resultados “devem ser analisados com prudência, particularmente em termos de evolução temporal, uma vez que ao longo do tempo verificam-se alterações de diferente natureza, nomeadamente ao nível da seleção do cabaz comum de bens e serviços em comparação, dos métodos e fontes dos preços utilizados no exercício das Paridades de Poder de Compra e da substituição de valores preliminares por definitivos da contabilidade nacional”.

(artigo atualizado às 14h50: em vez de um aumento nominal do PIB de 4,6%, deve ler-se 4,4%)

Ler mais
Recomendadas

Investimento de 50 milhões vai permitir ao Alqueva ter o maior projeto fotovoltaico flutuante da Europa

Esta foi a solução encontrada pela Empresa de Desenvolvimento e Infraestruturas do Alqueva (EDIA) para fazer face aos custos elevados que a EDP cobra pelo fornecimento de energia às centrais hidroelétricas de Alqueva e Pedrógão.

Moody’s: Portugal com economia em risco a partir de 2030 devido ao envelhecimento da população

Para contrariar os riscos de recessão económico, a agência defende que devem ser tomadas medidas que aumentem o crescimento da produtividade ou que sustentem o crescimento económico.

Alunos deslocados têm de se registar todos os anos no portal do Fisco para deduzir a renda

A renda paga pelos alunos que estão a estudar a mais de 50 quilómetros de casa pode ser deduzida ao IRS, mas para tal é necessário que todos os anos o estudante comunique ao fisco que se encontra deslocado.
Comentários