PremiumPico de depósitos nos EUA é aliado a investimento, ao contrário de Portugal

Portugal tem taxas mais elevadas de depósitos, em função do PIB, do que os EUA, mas o investimento das famílias nacionais é muito inferior ao das americanas, o que acaba por ser de menor ajuda à retoma da economia.

Portugal experiencia, historicamente, depósitos bancários elevados, em função do produto interno bruto (PIB), quando comparado, por exemplo, com os Estados Unidos da América (EUA), o que poderá significar que do outro lado do Atlântico se destinam maiores recursos ao consumo, mas também que os investidores privados são mais dinâmicos e aplicam as poupanças em diferentes tipos de ativos, o que pode fazer muita diferença num período em que se procura incentivar a retoma das economias.

Ressalvando as devidas diferenças entre a pequena economia aberta portuguesa e o líder mundial em termos económicos, os EUA, não deixa de ser assinalável o comportamento recente dos depósitos em ambos os países, registando-se aumentos, e o seu papel no crescimento que se vive em cada um.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

DGERT. Despedimentos coletivos comunicados até agosto caem para 248

O número de despedimentos coletivos comunicados até agosto caiu para 248, perto de metade do registado no mesmo período do ano anterior, quando se verificaram 455 processos, segundo a Direção-Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT).

Presidência do Conselho de Ministros e Inspeção-Geral de Finanças assinam acordo para colaboração entre entidades

Em comunicado a presidência do Conselho de Ministros sublinha que a assinatura do protocolo “visa estabelecer a colaboração e articulação entre as entidades no quadro da alteração do regime de fiscalização das fundações privadas e do novo regime de fiscalização”.

Turismo: Siza anuncia nova linha de 150 milhões e apoio a fundo perdido de 15 mil euros por empresa

“Vamos lançar, nas próximas semanas, uma nova linha de crédito de apoio à tesouraria” das empresas do setor turístico, disse o ministro da Economia. Além disso, será lançado nos próximos dias o programa “Adaptar Turismo”, que funcionará como “um incentivo financeiro a fundo perdido aos investimentos no sector, num montante de até 15 mil euros por empresa”.
Comentários