Jamie Oliver “pôs as mãos na massa”. Nova pizzaria em Lisboa custou quase 400 mil euros

Depois da falência dos restaurantes da cadeia Jamie’s Italian no Reino Unido, o conceituado ‘chef’ estreia esta quarta-feira o segundo restaurante em Lisboa, num investimento que ficou próximo dos 400 mil euros, e com um objetivo claro: fazer a melhor pizza da cidade.

Jamie Oliver's Pizzeria

O descalabro financeiro que assolou o império de Jamie Oliver no Reino Unido não abalou a estratégia que o conceituado chef britânico tem para a Lisboa, onde inaugurou esta quarta-feira a pizzaria Jamie Oliver’s Pizzeria.

Em maio, a maior parte dos restaurantes que pertenciam à cadeia Jamie’s Italian entraram em falência, colocando em risco 1.300 empregos. Na altura, o célebre chef recorreu ao Twitter para demonstrar o seu desalento, mostrando-se “arrasado com a falência” dos restaurantes em terras de sua majestade.

O investimento do Jamie Oliver’s Pizzeria, com 115 m2 e capacidade para 66 pessoas, no Chiado, ficou próximo dos 400 mil euros, revelou ao Jornal Económico, Helena Farinha, responsável de marketing e comunicação do restaurante que faz pizzas estendidas à mão, como dita a tradição.

Helena Farinha salientou que a operação na capital portuguesa, uma cidade “encantadora” para Jamie Oliver, é “autónoma” da operação do Reino Unido. Em Lisboa, “o percurso é mais positivo e de crescimento”, disse.

O estreante Jamie Oliver’s Pizzeria tornar-se assim no segundo restaurante do cozinheiro na capital nacional, depois de o Jamie’s Italian, no Príncipe Real, ter aberto as portas há sensivelmente 18 meses.

O novo restaurante “está alinhado com a operação do Jamie’s Italian”, explicou Helena Farinha, inserindo-se numa estratégia de “consolidação” da operação em Portugal e que, por enquanto, não passa pela expansão para outras cidades do país.

A responsável de marketing pela pizzaria revelou ainda que “Jamie Oliver pôs literalmente as mãos na massa” neste projeto que quer fazer “a melhor pizza da cidade” – um desafio para o qual Helena Farinha “tem as melhores expectativas”. “Queremos agradar sobretudo o público de Lisboa”, frisou.

No dia da inauguração, trabalham doze pessoas no Jamie Oliver’s Pizzeria, entre a copa e a cozinha.

As pizzas, a imagem de marca do restaurante, vão dos 9,25 euros até aos 15,75 euros, mas há mais opções como lasanhas, saladas e outros acompanhamentos.

O Jamie Oliver’s Pizzeria estará aberto entre o meio-dia e as 23 horas entre domingo e quinta-feira, encerrando à meia-noite às sextas e aos sábados.

Ler mais
Relacionadas

Jamie Oliver vai abrir segundo restaurante de pizzas em Lisboa

O primeiro espaço de Oliver na capital portuguesa foi o “Jamie’s Italian”, inaugurado no Príncipe Real há quase dois anos. Meses depois do pedido de insolvência da sua cadeia de restaurantes no Reino Unido, o chef britânico prepara-se para abrir um segundo estabelecimento em Lisboa.

Jamie’s Italian em Lisboa foge ao cenário de insolvência e permanece aberto

A gerência do restaurante do chef britânico Jaime Oliver, situado na Praça do Príncipe Real, garante que o espaço não será afetado pelo processo de insolvência da cadeia de restaurantes.

“Estou arrasado”. Falência dos restaurantes de Jamie Oliver põe em risco 1.300 empregos

A maior parte dos estabelecimentos afetados pertence à cadeia Jamie’s Italian, lançada em 2008. Segundo a BBC, estão em causa 25 restaurantes do referido cozinheiro.
Recomendadas

Três linhas de apoio social na Cultura estão abertas

Esta semana serão ainda divulgadas as condições de acesso aos 8,5 milhões de euros de reforço orçamental do Instituto do Cinema e Audiovisual (ICA), retirados do saldo de gerência, também para responder às necessidades dos trabalhadores desta área.

Livro: “Périplo pelos Bares do Mediterrâneo”

Se o expectável seria um rol de museus e locais históricos a visitar, neste livro, Ali Duaji, romancista tunisino de origem turca que também fez da poesia sua casa, preferiu perscrutar os povos mediterrânicos deambulando pelos seus bares.

Trabalhadores da Cultura têm cinco propostas para acabar com precariedade

O caderno de contributos e propostas inclui, por exemplo, o fim dos recibos verdes e a aplicação de contratos de trabalho onde figurem “o tempo de trabalho, a remuneração, os encargos sociais do empregador e os encargos sociais do empregado”.
Comentários