Plano de recuperação: Bruxelas elogia foco do Governo na resiliência e transição digital

“Ainda é muito cedo para fornecer uma avaliação completa do projeto de Plano de Recuperação e Resiliência de Portugal, no entanto, notamos já o forte enfoque na construção de resiliência e na transição digital”, disse um porta-voz da Comissão Europeia ao Jornal Económico.

A Comissão Europeia afirmou esta quinta-feira que o projeto de do plano de recuperação e resiliência entregue pelo Governo português dá o mote de partida para um diálogo sobre a melhor utilização dos fundos europeus, adiantando que, embora ainda seja cedo para avaliar o documento, asssinala desde já o foco na resiliência e na transição digital

O esboço do Plano de Recuperação e Resiliência foi aprovado ontem pelo Conselho de Ministros e hoje entregue à Comissão Europeia.

“A Comissão regista o anúncio sobre o plano de recuperação e resiliência feito pelas autoridades portuguesas”, referiu um porta-voz da Comissão, ao Jornal Económico. “Esperamos analisar o projeto de plano elaborado pelas autoridades portuguesas e continuar o nosso diálogo sobre a conceção e o conteúdo do seu plano de recuperação e resiliência antes da sua apresentação final.”

Este diálogo deverá ajudar a garantir que Portugal utiliza da melhor forma os fundos da União Europeia (UE) para apoiar a sua recuperação e sai mais forte e resiliente deste processo, em linha com as prioridades da UE, adiantou.

“Ainda é muito cedo para fornecer uma avaliação completa do projeto de plano de recuperação e resiliência de Portugal, no entanto, notamos já o forte enfoque na construção de resiliência e na transição digital”, sublinhou.

“As prioridades anunciadas pelo Governo português parecem estar, em geral, de acordo com a agenda da Comissão. A Comissão continuará a trabalhar com as autoridades portuguesas a todos os níveis na preparação do seu plano de recuperação e resiliência”, disse.

Portugal apresentou hoje o seu projecto de plano de recuperação e resiliência, um passo que Bruxela vê como o ponto de partida para o diálogo a realizar entre a Comissão e as autoridades portuguesas.

Portugal e os outros Estados-Membros poderão apresentar formalmente os seus Planos de Recuperação e Resiliência assim que o regulamento relevante entrar em vigor. No entanto, os Estados-Membros são incentivados a apresentar projetos de planos a partir de 15 de outubro de 2020 e a encetar um diálogo com a Comissão.

O primeiro-ministro, António Costa disse esta quinta-feira que quer que haja rapidamente um acordo em Bruxelas para que o Plano de Recuperação Económica possa avançar a “tempo e horas”.

Costa espera um acordo rápido em Bruxelas para arrancar a “tempo e horas” com plano de recuperação

Ler mais

Relacionadas

Plano de Recuperação ajuda a economia a crescer 0,5 pontos percentuais, estima o Governo

Governo estima um crescimento do PIB de 5,4% em 2021 e uma expansão de 3,6% em 2022. Nos cálculos do Governo, sem o Plano de Recuperação o Governo estima que a economia crescesse 5% no próximo ano e 3,4% em 2022.

Plano de Recuperação: Afinal, Governo pondera usar 4,3 mil milhões de euros de empréstimos

Apesar de privilegiar a utilização de subvenções, o Executivo admite agora que dependendo das condições dos empréstimos poderá vir a utilizá-los, nomeadamente 2.745 milhões de euros para investimento no parque público de habitação acessível, 1.250 milhões de euros para a capitalização de empresas e resiliência através do Banco de Fomento e 300 milhões de euros para material circulante ferroviário, para os regionais de longo curso, inserido na mobilidade sustentável.

Costa espera um acordo rápido em Bruxelas para arrancar a “tempo e horas” com plano de recuperação

O primeiro-ministro deseja um acordo rápido entre o Parlamento e o Conselho Europeu para arrancar a “tempo e horas” com o Plano de Recuperação e Resiliência no próximo ano.
Recomendadas

Pandemia custa 3.058 milhões de euros ao Estado até setembro

“Até setembro, a execução das medidas adotadas no âmbito do combate e da prevenção da covid-19, bem como aquelas que têm por objetivo repor a normalidade, conduziu a uma redução da receita de 831,5 milhões de euros e a um aumento da despesa em 2.226,8 milhões de euros”, indica a Direção-Geral do Orçamento na Síntese de Execução Orçamental.

Receita fiscal cai 2.822,7 milhões de euros ‘arrastada’ pela quebra do IVA e IRC

“No mês de setembro a receita fiscal líquida acumulada do subsetor Estado volta a refletir os efeitos da pandemia covid-19, registando-se uma queda de 2.822,7 milhões de euros (-8,3%) face aos primeiros nove meses de 2019”, refere a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

“A justiça tributária foi infetada pela Covid 19 e esteve longos meses em coma”, diz fiscalista

Vânia Codeço, advogada da RFF & Associados – Sociedade de Avogados, revela a impreparação a justiça tributária, em particular dos tribunais, e a resposta lenta às necessidades da gestão da pandemia. Regista ainda que as inspeções tributárias e os processos de execução fiscal pararam, tendo os tribunais tributários funcionado numa lógica de serviços mínimos com o lockdown a transformá-los num órgão de soberania “quase ausente”.
Comentários