PremiumPlano do PSD para atrair investimentos quer evitar novas “La Seda”

PSD quer evitar negócios ruinosos como o La Seda e atrair apenas os mais sustentáveis. Objetivo é aumentar investimento para 20% do PIB até 2023.

Um dos grandes pilares do plano de retoma económica apresentado esta semana pelo Partido Social Democrata (PSD) consiste na atração de mais investimento privado, sobretudo investimento direto estrangeiro. A ideia é que, no espaço de três anos, o país consiga captar “quatro a cinco grandes projetos industriais” como a Autoeuropa. No entanto, nem todos os investimentos são bem-vindos e o partido fecha desde já a porta à entrada de empresas que tenham como principal fonte de financiamento os bancos portugueses, para evitar novos casos “La Sedas”.

“Há uma coisa que é muito importante [no programa de captação de grandes investimentos do PSD]. Esses investimentos têm de ser Autoeuropas e não La Sedas. Ou seja, têm de ser sustentáveis e não podem depender de financiamento bancário nacional, sobretudo da Caixa Geral de Depósitos (CGD)”, referiu o presidente do Conselho Estratégico Nacional (CEN) do PSD, Joaquim Miranda Sarmento, na apresentação, em conferência de imprensa, das propostas que constam no “programa paralelo” do PSD para retomar a atividade económica.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Abertos concursos para escolas contratarem 800 novos técnicos especializados

As escolas vão poder contratar mais de 800 novos técnicos especializados no âmbito do plano de desenvolvimento pessoal, social e comunitário, lançado recentemente, e tendo como finalidade o próximo ano letivo”, lê-se num comunicado hoje divulgado pelo Ministério da Educação.

Portugal com 213 casos de infeção e três mortes por Covid-19

Região de Lisboa e Vale do Tejo regista o número mais elevado de infeções ao dia de hoje, tendo confirmado mais 1447 casos em relação aos dados da véspera. O número de casos recuperados em Portugal aumentou para 37.840.

Durão Barroso considera que Fundo de Recuperação acordado em Bruxelas é “uma orgia financeira”

O antigo presidente da Comissão Europeia Durão Barroso defende que a Portugal terá de fazer uma boa gestão dos fundos comunitários e que a Assembleia da República deve reforçar o seu papel de fiscalização sobre a sua aplicação.
Comentários