Pode a indústria farmacêutica ser o motor da retoma económica? Veja o debate

“A Indústria Farmacêutica como Motor da Retoma Económica” é o tema da mesa-redonda promovida pelo Jornal Económico, que conta com a participação de Nelson Pires, general manager da Recordati no Reino Unido e na Irlanda e em Portugal; e de Filipe Novais, diretor-geral da Astellas Farma. Assista ao debate.

“A Indústria Farmacêutica como Motor da Retoma Económica” é o tema da mesa-redonda promovida pelo Jornal Económico e transmitida esta quinta-feira, 17 de junho, através da plataforma multimédia JE TV e das contas do JE nas principais redes sociais.

O debate conta com a participação de Nelson Pires, general manager da Recordati no Reino Unido e na Irlanda e em Portugal; e de Filipe Novais, diretor-geral da Astellas Farma.

A indústria farmacêutica portuguesa cresceu a uma taxa média anual de 2,7%, entre 2000 e 2016, um ritmo 0,4 pontos percentuais mais rápido do que o do conjunto da economia, apoiada nas exportações, que cresceram 160% numa década, para mais de 1,1 mil milhões de euros, no ano passado.

Mesmo assim, os agentes do sector consideram que este tem ainda margem para crescer, se compararmos o peso de 2,3% que tem no produto interno bruto (PIB) português com o que acontece noutros países europeus, como Itália, em que o rácio é um terço mais elevado ou Espanha, que o duplica.

Nesta mesa-redonda vamos falar sobre a resposta da indústria à emergência da pandemia de Covid-19, debater o papel da inovação e como esta pode ser incrementada e, também, perceber o potencial económico que o sector da indústria farmacêutica encerra. Vamos conhecer, também, quais são as perspetivas que podemos ter para o pós-pandemia.

Recomendadas

PremiumOtimismo vai continuar a dominar os mercados nos próximos tempos

Processos de vacinação contra a apandemia de Covid-19 e retoma das economias sustentam otimismo, mesmo com riscos a ter em conta.

Instituições de ensino e formação procuram combinação virtuosa entre presencial e online

Na mesa redonda do JE sobre Os Desafios da Formação em Portugal, esta sexta-feira, Manuel Fontaine, diretor da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica, e Jorge Conde, presidente do Politécnico de Coimbra, revelam como estão a preparar o próximo ano letivo. Jorge Lopes, diretor da Rumos Formação, diz ter a expectativa de que as empresas portuguesas voltem a investir em formação e a Rumos está preparada para responder.

Da sala de aula para o ensino a distância: três exemplos de adaptação em tempo recorde

Jorge Conde, presidente do Politécnico de Coimbra, Jorge Lopes, Diretor da Rumos Formação, e Manuel Fontaine, Diretor da Escola do Porto da Faculdade de Direito da Universidade Católica, contam como as suas instituições enfrentaram e venceram a pandemia da Covid-19. Foi esta sexta-feira, 30 de julho, na mesa redonda Os Desafios da Formação em Portugal, promovida pelo Jornal Económico.
Comentários