Morreu o poeta e antigo bastonário dos advogados António Osório de Castro

António Osório de Castro foi também administrador da Comissão Portuguesa da Fundação Europeia da Cultura e presidente da Associação Portuguesa para o Direito do Ambiente.

O poeta e antigo bastonário da Ordem dos Advogados António Osório de Castro morreu esta quinta-feira aos 88 anos, revelou a Ordem em comunicado.

António Osório de Castro nasceu a 1 de agosto de 1933 em Setúbal e licenciou-se em 1956 na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. Entre vários cargos desempenhados na Ordem dos Advogados, Osório de Castro foi eleito bastonário para o triénio 1984-1986.

“Foi, além disso, sob o nome de António Osório, um poeta de enorme qualidade, tendo recebido vários prémios como o Prémio Literário Município de Lisboa (1982), o Prédio P.E.N. Clube Português de Poesia (1991) e o Prémio Autores (2010)”, salienta ainda a Ordem na nota.

A Ordem dos Advogados, no nome do atual bastonário Luís Menezes Leitão e do conselho geral manifestaram ainda “o mais profundo pesar pelo falecimento” de António Osório de Castro, e apresentam “sentidas condolências à sua família”.

António Osório de Castro foi também administrador da Comissão Portuguesa da Fundação Europeia da Cultura e presidente da Associação Portuguesa para o Direito do Ambiente.

Recomendadas

“Sucessão da SRS Advogados será democrática e participativa”, assegura managing partner

Em entrevista ao programa “Falar Direito”, da plataforma multimédia JE TV, Pedro Rebelo de Sousa, managing partner da SRS Advogados, abordou o processo de sucessão na SRS Advogados, garantindo que o mesmo será feito de forma participativa.

14 Sports Law eleita melhor firma de direito desportivo na Península Ibérica

Empresa sediada no Porto representou, entre outros casos o Santos FC contra o FC Barcelona, na transferência do jogador Neymar Jr.

Paulo de Cunha e Sá: “Não queremos competir com a oferta formativa das universidades”

Constituída com uma entidade autónoma do escritório ibérico e com marca própria, esta academia garante que não chega para falar “legalês” dos juristas nem para competir com a oferta das universidades portuguesas e internacionais, garantiu o advogado Paulo de Sá e Cunha, sócio da Cuatrecasas Portugal no programa “Falar Direito”, da plataforma multimédia JE TV.
Comentários