Polacos investem 35,4 milhões de euros em parques fotovoltaicos em Portugal (com áudio)

Depois de ter angariado 35,4 milhões de euros, a R.Power investiu em Portugal ao comprar parques fotovoltaicos com uma capacidade de cerca de 60 megawatts/p. 

R.POWER

O interesse passou a realidade. A companhia polaca investiu em Portugal e comprou parques fotovoltaicos no valor de 160 milhões zlotis, ou seja, cerca de 35,4 milhões euros, tendo estes uma capacidade de cerca de 60 megawatts/p.

Com esta entrada, a R. Power tornou-se um dos maiores investidores polacos em Portugal ao aumentar a capacidade total dos parques que a empresa tem em território nacional para quase 70 megawatts/p, o que constitui cerca de 7%de todo o potencial dos parques fotovoltaicos em Portugal.

De Santarém a Portalegre e passando por Castelo Branco, os parques fotovoltaicos polacos vão gerar cerca de 100 gigawatts/h de energia eléctrica por ano, o que é suficiente para atender às necessidades de energia de cerca de 30 mil agregados familiares. Por sua vez, a redução anual esperada de emissões de CO2 excederá 21 mil toneladas, o que é tanto quanto produzem 16 mil carros. Todos os projetos devem estar prontos para construção em 2021, e a construção está prevista para começar em 2022. A energia que se vai produzir será vendida com base nos PPAs (contratos de compra de energia) a longo prazo, sem usar um sistema de suporte.

Em comunicado divulgado esta terça-feira, Przemek Pieta, cofundador e presidente do conselho de administração da R.POWER, explica que “devido a um dos níveis de luz solar mais elevados da Europa, Portugal é um destino natural para nós”, acrescentando que o mercado “permite a construção de parques sem nenhum subsídio”.

O responsável adianta que a empresa está a recrutar e a procurar novos projectos. “A nossa estratégia actual é baseada não só na aquisição e realização de projetos fotovoltaicos, mas também na construção do nosso próprio portfólio de parques solares como produtor independente de energia eléctrica”, afirma.

Recomendadas

O que é preciso para reconstruir o Montepio? Veja a entrevista a Pedro Corte-Real, candidato à liderança da mutualista

Que futuro para a mutualista Montepio? Pedro Corte-Real, crítico das várias lideranças da dona do Banco Montepio e candidato às eleições de 17 de dezembro da Associação Mutualista Montepio Geral pela lista B é entrevistado por Maria Teixeira Alves, grande repórter do JE, relativamente aos grandes desafios desta instituição.

Real Madrid e Barcelona unidos para tentar evitar entrada da CVC Capital na La Liga

A proposta alternativa dos dois maiores clubes da Espanha, juntamente com o Athletic Bilbao, seria que JPMorgan, Bank of America e HSBC emprestassem conjuntamente dois mil milhões de euros em troca de um pagamento anual fixo de 115 milhões de euros estendidos por 25 anos.

CTT esclarece que ação judicial contra Sequeira Braga não foi posta pela empresa

A Maxyield chamou de “comportamento arbitrário praticado por esta empresa cotada” a alegada ação judicial contra Gonçalo Sequeira Braga. Mas os CTT vêm hoje dizer que não há nenhuma ação da empresa contra o acionista minoritário. A ação é afinal da Secretária Suplente da Sociedade, a título pessoal.
Comentários