Polícia britânica diz que ataque na linha férrea está relacionado com Brexit

“Da nossa perspetiva inicial, estará relacionado com o Brexit”, afirmou a polícia britânica dos transportes.

A polícia britânica disse esta terça-feira que estava a investigar duas tentativas de sabotagem às linhas férreas. As autoridades acreditam que as ações foram deliberadas e podem estar relacionadas com a saída do Reino Unido da União Europeia.

Os engenhos foram encontrados por trabalhadores dos caminhos de ferro, na estação Central de Inglaterra, no dia 21 de março e foram encontrados, novamente, seis dias depois, a 27 de março. A polícia anunciou que os engenhos falharam na perturbação da linha.

“Isto foi uma tentativa séria e deliberada de causar sabotagem e de perturbar o serviço férreo britânico”, afirmou Sean O’Callaghan da Polícia Britânica de Transportes. “Estamos a tentar perceber porque razão alguém iria colocar a sua vida em risco para colocar estes materiais numa linha ativa. Ainda assim, da nossa perspetiva inicial, estará relacionado com o Brexit”, continuou no comunicado.

Sean O’Callaghan disse que a intenção foi apenas de atrasar o serviço em vez de causar danos na infraestrutura da linha de comboios.

Recomendadas

Goldman Sachs deve cortar 1% dos postos de trabalho

Com a crise pandémica, a situação dos bancos deteriorou-se e a necessidade de revitalizar ou assegurar equilíbrio tem levado, muitas vezes, a despedimentos nestas instituições.

EUA: adiamento da votação do Congresso dá esperança à aprovação de novo pacote de estímulos

Depois de meses de impasse, a Câmara dos Representantes, de maioria democrata, decidiu não votar um pacote que estava condenado ao fracasso quando subisse ao Senado, de maioria republicana. O adiamento é visto como um sinal de avanços nas negociações entre Nancy Pelosi e Steve Mnuchin, ou seja, entre os democratas do Congresso e a Casa Branca.

3.800 euros: Genebra vai pagar o salário mínimo mais elevado do mundo

Os 500 mil eleitores da cidade suíça aprovaram o salário mínimo proposto pelos sindicatos locais e partidos de esquerda, depois de já terem sido rejeitados duas vezes em 2011 e 2014. Medida entra em vigor a partir de 17 de outubro.
Comentários