Política norueguesa quer manifestantes de Hong Kong nomeados para Nobel da Paz, mas Pequim não gosta da ideia

Apesar do comité Nobel ser independente do Governo e do parlamento norueguês, as palavras de Guri Melby mereceram a atenção do Governo chinês que disse à deputada para “parar de interferir nos assuntos de Hong Kong e nos assuntos internos da China”.

A luta do povo de Hong Kong pela independência começou há quatro meses, e os desacatos a favor da democracia continuam a impactar o mundo. Após a prisão de alguns manifestantes pró-democracia por rebelião, uma deputada norueguesa sustentou que o esforço do povo devia ser reconhecido.

Por essa razão, Guri Melby, membro do Partido Liberal norueguês, decidiu nomear o povo de Hong Kong para o Prémio Nobel da Paz de 2020. “Nomeei o povo de Hong Kong, que arrisca a sua vida e segurança todos os dias para defender a liberdade de expressão e a democracia fundamental, para o Prémio Nobel da Paz de 2020”, escreveu a política na rede social Twitter.

A mensagem remonta ao dia 15 de outubro, quando Melby visitou o território de Hong Kong. “Espero que isto seja um estímulo adicional para o movimento”, adicionando em outra publicação que ficou “chocada com as histórias de brutalidade policial e impressionada com a coragem dos manifestantes”.

Apesar do comité Nobel ser independente do Governo e do parlamento norueguês, as palavras de Guri Melby mereceram a atenção do Governo chinês.

“Os assuntos de Hong Kong são assuntos internos da China, não permitindo interferência de governos estrangeiros, organizações ou indivíduos. Apelamos à pessoa em questão para exercer caução nas suas palavras e atos (…) e para parar de interferir nos assuntos de Hong Kong e nos assuntos internos da China”, disse a 17 de outubro o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros da China, Geng Shuang.

As tensões entre Oslo e Pequim recuam vários anos. Em 2010, a China bloqueou a relação que tinha com a Noruega, suspendeu a negociação de um acordo comercial com o país, e cancelou a importação de salmão norueguês, após o Comité Norueguês do Nobel atribuir o Prémio Nobel da Paz ao dissidente chinês Liu Xiaobo. Em 2016, a relação entre os dois países melhoraram quando a Noruega decidiu “não apoiar ações que debilitem os interesses chineses”, sendo que a nomeação vai contra esse acordo.

 

No entanto, esta não é a primeira vez que os manifestantes pró-democracia de Hong Kong são nomeados para o Nobel da Paz. Cerca de 12 membros do Congresso norte-americano nomearam os ativistas responsáveis pela ‘Revolução dos Guarda-Chuvas’ para os prémios Nobel em 2018, quatro anos após as manifestações que ficou conhecida pelos guarda-chuvas.

⁠Ao jornal norueguês ‘Aftenposten’, Guri Melby afirmou que “a importância do que eles estão a fazer estende-se para além de Hong Kong, tanto na região como no resto do mundo”. “Específico que a nomeação vai para o movimento que está a fazer com que as manifestações aconteçam. Estive em Hong Kong na semana passada e as pessoas com quem conversei enfatizaram que este é um movimento social”, declarou Melby ao mesmo jornal.

 

Ler mais
Relacionadas

Hong Kong: Governo pede desculpas após polícia pulverizar mesquita durante protesto

O Governo de Hong Kong pediu hoje desculpas a líderes muçulmanos, depois da polícia antimotim ter pulverizado um portão da mesquita e algumas pessoas com um canhão de água, quando as autoridades tentavam dispersar os manifestantes no domingo.

Manifestantes em Hong Kong desafiam polícia com protesto não autorizado

Manifestantes inundaram hoje novamente as ruas, enfrentando a proibição de protestos, após os violentos ataques, esta semana, sobre dois militantes pró-democracia.
Recomendadas

PremiumGaliza e País Basco sem nada de novo na frente autonómica

A norte de Portugal, o PP deverá manter a maioria absoluta obtida em 2009. Bem mais longe, coligação entre nacionalistas e socialistas é para manter.

“Vai acontecer outra vez”, garante comité independente da OMS para avaliar pandemia

Após ter sido nomeada, a antiga primeira-ministra apontou que o mundo deve enfrentar as futuras crises económicas, sociais e políticas com os “pés assentes na terra”.

Pandemia deverá contrair economia do Japão ao ritmo mais rápido de várias décadas, estima Reuters

“Levaria dois ou três anos para a atividade económica regressar a níveis normais no Japão, enquanto os mercados internacionais devem continuar a sofrer com a propagação do vírus”, afirma o economista chefe do Instituto de Investigação Itochu, Atsushi Takeda.
Comentários