Político e bilionário francês Olivier Dassault morre em queda de helicóptero

Neto do fundador do grupo de indústria aeroespacial Dassault tinha ativos no valor de cinco mil milhões de euros. Afastara-se da gestão dos negócios de família devido a incompatibilidades com o mandato de deputado.

Olivier Dassault

O político e empresário francês Olivier Dassault, um dos acionistas do grupo de indústria aeroespacial fundado pelo seu avô, Marcel Dassault, morreu neste domingo, aos 69 anos, devido à queda do helicóptero em que viajava. O acidente, que provocou outra vítima mortal, sucedeu pouco depois de o aparelho levantar voo, despenhando-se numa zona rural da Normandia.

Deputado na Assembleia Nacional de França, representando desde 1988 (com um interregno entre 1997 e 2002) um círculo da região nortenha de Oise nas listas dos republicanos – sucessores dos gaulistas, pelos quais o seu pai, Serge Dassault, também foi eleito senador -, Olivier Dassault apareceu na 361.ª posição entre as maiores fortunas do mundo, publicada pela revista “Forbes”. Detinha, como os três irmãos, ativos no valor de cinco mil milhões de euros.

Olivier Dassault foi homenageado pelo presidente francês, Emmanuel Macron, que o descreveu numa mensagem de Twitter como alguém que “amava a França” e que ao longo da sua vida “nunca parou de servir o país”.

Afastado da gestão das empresas do seu grupo, por incompatibilidade com a atividade política, Olivier Dassault distinguiu-se também enquanto piloto de aviões e chegou a ser diretor de Estratégia da Dassault Aviation e vice-presidente do grupo de imprensa Valmonde. Também se envolveu no diário “Le Figaro” após a compra do título pela holding familiar, da qual foi presidente do conselho de supervisão até enveredar pela política ativa.

Recomendadas

Acionistas da Galp aprovam Andy Brown como presidente da comissão executiva

Foi ainda aprovada “a proposta de aplicação dos resultados do exercício de 2020” e os acionistas procederam à “apreciação geral do Conselho de Administração”, do Conselho Fiscal e do Revisor Oficial de Contas.

JPMorgan reconhece “erro de cálculo” quanto à reação dos adeptos à Superliga

O banco norte-americano sofreu uma forte onda de críticas, à semelhança das restantes entidades envolvidas, garantindo que irá aprender com o erro de cálculo.

Resultados operacionais da CUF caíram 24% em 2020, para 533,5 milhões de euros

No ano passado, a participada do Grupo José de Mello para o sector da saúde apresentou um resultado líquido consolidado negativo de 23,8 milhões de euros.
Comentários