Porta de avião russo abriu-se e lançou no ar três toneladas de ouro

As autoridades russas, que recuperaram 172 barras de ouro pesando cerca de 3,4 toneladas, vão agora investigar esta estranha ocorrência.

A escotilha de um avião Antonov An-12, de fabrico russo, abriu-se acidentalmente quando o aparelho de carga levantava voo do aeroporto da cidade russa de Yakutsk, o que só seria notícia se tivesse causado mortos ou qualquer estrago avultado.

Não foi nada disso que aconteceu, mas o caso merece, mesmo assim, ser notícia: é que a avaria fez com que a carga se soltasse e caísse pela escotilha aberta – e a carga eram toneladas e toneladas de ouro em barra.

A ocorrência – a que com muita propriedade se poderia chamar ‘chuva de estrelas’ – parece não ter beneficiado ninguém, dado que o ouro caiu na pista de aterragem que o Antonov estava a usar para descolar. Os responsáveis do aeroporto conseguiram resgatar, segundo a agência noticiosa Tass, 172 barras de ouro, que n o conjunto pesam cerca de 3,4 toneladas – mas fica por esclarecer se houve a perda de alguma barra.

As autoridades russas vão agora investigar a ocorrência – que aconteceu numa pista com muito gelo – conforme explica a agência Tass. O aparelho era operado pela companhia aérea Nimbus e transportava 9,3 toneladas de ouro e outros metais preciosos, de acordo com informações divulgadas pelo comité estatal de investigação ao incidente.

Recomendadas

Novos limites da pesca da sardinha variam entre 1.575 e 4.725 quilogramas

Para as embarcações com comprimento superior a nove metros e inferior ou igual 16 metros o limite é 3.150 quilos (150 cabazes, quando aplicável).

OCDE admite que aumento da inflação pode persistir durante “algum tempo”

OCDE estima que os preços globais das ‘commodities’ em julho e agosto deste ano foram cerca de 55% mais altos do que no ano anterior. Organização admite que os aumentos dos preços das matérias-primas irá “demorar a desaparecer”.

Administradores de insolvência da Groundforce propõem manutenção da empresa

Bruno Costa Pereira e Pedro Pidwell indicam ainda que “se viu interposto recurso, por parte da devedora, da sentença que declarou a sua insolvência, o que, atento o disposto no art.º 209.º, n.º 2, do CIRE, levará a que a nova assembleia de credores para discutir e votar o plano possa não vir a reunir no ‘timing’ que seria desejável”.
Comentários