Porto Canal aguarda pronúncia da ERC sobre debates com Vitorino Silva depois de queixa do PCP

O Porto Canal decidiu convidar Vitorino Silva a debater com os restantes candidatos presidenciais depois das principais televisões terem-no deixado de fora, com a RTP a ter sido a única a recuar na decisão inicial. O PCP apresentou uma queixa para travar os debates no canal sediado no Porto por considerar que houve um alegado tratamento preferencial a Vitorino Silva. O Porto Canal argumenta que só tentou “repor a justiça na distribuição dos debates”. Todos os candidatos foram convidados e todos aceitaram debater com Vitorino Silva à exceção de João Ferreira.

“Não tenho dúvidas de que nestas eleições o RIR vai ser o ‘tomba gigantes’. É preciso um ‘tomba gigantes’. É preciso fazer com que os grandes desçam à terra, porque a terra é o que o dá equilíbrio.”

O Porto Canal aguarda a pronúncia da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) sobre os debates que vai realizar entre Vitorino Silva e vários outros candidatos às eleições presidenciais.

O PCP apresentou uma queixa à Comissão Nacional de Eleições (CNE) queixando-se de um alegado tratamento preferencial dado pelo canal televisivo sediado no Porto ao candidato Vitorino Silva.

A CNE remeteu o processo para a ERC que vai agora decidir se os debates vão avançar ou não. Recorde-se que em dezembro as três principais televisões em Portugal deixaram Vitorino Silva de fora dos debates presidenciais. A RTP corrigiu o tiro mais tarde e acabou por incluir o candidato também conhecido por Tino de Rans, mas os debates decorreram na RTP 3 e não no canal principal como com outros candidatos. Já a SIC e a TVI deixaram-no mesmo de fora.

Na altura, o Porto Canal decidiu agir e convidar Vitorino Silva para realizar vários debates com todos os outros candidatos de forma a corrigir o que considera ser uma “injustiça”, por o candidato ter ficado de fora dos debates na SIC e TVI.

Depois de recebida a queixa por parte do PCP, a CNE foi “reportar à ERC e pedir que seja feita uma medida provisória para impedir os debates, sem prejuízo depois de outra decisão final que venha a ser tomada”, disse ao Jornal Económico o diretor de informação do Porto Canal.

“Estou à espera de que a ERC me comunique que, de facto, não posso fazer os debates, e espero que possa defender a realização dos mesmos, tenho alguns argumentos a sustentar a nossa posição de fazer os debates”, explicou Tiago Girão.

O responsável diz que não consegue “compreender a decisão e a tomada de posição do PCP. O Porto Canal tentou acabar com uma injustiça, ou repor a justiça na distribuição dos debates, uma vez que o Vitorino Silva tinha sido excluído numa primeira fase dos debates todos nas televisões. Foi nesse sentido que quisemos realizar os debates para colocar tudo em pé de igualdade”.

O Porto Canal formalizou com “todas as candidaturas a abertura para fazer” os debates e até se mostrou disponível para “realizar mais debates desde que as candidaturas se entendam entre si e que haja disponibilidade de grelha. Nunca quisemos só beneficiar esta ou aquela candidatura, não foi esse o objetivo. A RTP fez o seu trabalho para reparar um erro. Mas quando formaliza o convite ao Vitorino Silva já tínhamos os debates todos”.

“Foi com grande espanto que vimos esta posição do PCP e da candidatura do João Ferreira. Até porque o João Ferreira não esteve preocupado quando o Vitorino Silva foi excluído dos debates, não se mostrou minimamente preocupado. Todas as outras candidaturas aceitaram desde logo discutir com Vitorino Silva”, sublinhou.

Ao contrário dos restantes candidatos, o PCP não aceitou realizar o debate com Vitorino Silva no Porto Canal. Tiago Girão explica que “numa primeira fase, o PCP disse que vai aguardar pela validação da candidatura de Vitorino Silva pelo Tribunal Constitucional, quando nenhuma candidatura ainda tinha sido aceite. Prova disso, foi que houve candidaturas que tiveram de estar a fazer acertos à última hora, como a Iniciativa Liberal e o Chega. Numa segunda fase, vieram com esta questão do desequilíbrio que iria causar”.

O diretor de informação espera agora que o Porto Canal possa se defender nesta questão antes de a ERC tomar uma decisão. “Não faço ideia quando a ERC se vai pronunciar. O primeiro debate está agendado para domingo. Para já, mantemos tudo. Aguardamos também a possibilidade de nos defendermos nesta questão e de apresentarmos os nossos argumentos”, concluiu Tiago Girão.

As eleições presidenciais estão marcadas para domingo, 24 de janeiro. O agendamento dos debates no Porto Canal está previsto arrancar no próximo domingo: Vitorino Silva-Marisa Matias (17/01); Vitorino Silva-André Ventura (18/01); Vitorino Silva-Marcelo Rebelo de Sousa (20/01); Vitorino Silva-Ana Gomes (21/01); Vitorino Silva-Tiago Mayan (22/01).

Ler mais
Relacionadas

Presidenciais: Presidente não deve tomar posse se abstenção for “uma vergonha”, defende Vitorino Silva

“Acho que se não houvesse 50% dos votantes na eleição, não devia ser vinculativa. O Presidente da República não devia sequer tomar posse. Acredito nisto. É o que defendo neste momento”, disse Vitorino Silva, popularmente conhecido como “Tino de Rans”, em entrevista à agência Lusa.

Vitorino Silva considera que Marcelo “apalhaçou a função de Presidente da República”

Quanto à sua candidatura à Presidência da República, Vitorino Silva, de 49 anos, explicou que “a primeira razão é não deixar o sistema ir a voto sozinho”. “Há [os candidatos do] sistema, os anti sistema e os fora do sistema, eu sou fora do sistema”, garante.

Presidenciais: Debates entre candidatos arrancam hoje e só devem terminar no dia 22

Os debates televisivos entre os sete candidatos a Presidente da República arrancam hoje e só deverão terminar dois dias antes das eleições marcadas para 24 de janeiro
Recomendadas

TAP propõe acordo com tripulantes para vigorar até final de 2024

O acordo, segundo o qual “as medidas acordadas referentes a retribuições e outras prestações pecuniárias, retributivas ou não, produzem efeitos a 1 de janeiro de 2021”, estabelece a suspensão “das tabelas salariais e remuneratórias em vigor à data da entrada em vigor deste acordo, incluindo as constantes de normativo específico de cada função e/ou de acordos individuais”.

Turismo do Centro apresenta novas iniciativas para as Rotas das Invasões Francesas

O destaque vai para a apresentação das rotas turísticas relativas à Terceira Invasão Francesa, que teve início em julho de 1810 e terminou em abril de 1811. No território nacional, a invasão iniciou-se em Almeida e continuou para o Bussaco, onde teve lugar uma importante batalha, tendo terminado nas Linhas de Torres Vedras, de onde os franceses retiraram em perda.

Pilotos do porto de Aveiro resgatam navio da ETE

Depois de ativados os procedimentos de segurança, os serviços técnicos de pilotagem do porto de Aveiro em colaboração com os rebocadores e em articulação com a Capitania, “a operação do salvamento do navio e tripulação foi realizada com sucesso, encontrando-se o navio atracado em segurança”.
Comentários