Portos de São Nicolau, Sal e Santo Antão são os próximos “grandes projetos” da Enapor

A autoridade portuária cabo-verdiana diz, no entanto, que a “grande prioridade” é o Porto Inglês, na ilha do Maio.

Os portos das ilhas de São Nicolau, Sal e Santo Antão formam o trio de infraestruturas incluídas nos “grandes projetos” que a Enapor tem em ‘pipeline’ para os próximos anos, declarou o presidente do conselho de administração da autoridade portuária cabo-verdiana.

Em entrevista à agência noticiosa “Inforpress”, Jorge Maurício lembrou, no entanto, que a “grande prioridade” é o Porto Inglês, na ilha do Maio, em que se fez uma gestão “criteriosa e eficiente” do projeto, que, neste momento, tem as obras já em curso, com a montagem dos estaleiros e chegada dos equipamentos (embora não sejam visíveis para o grande público).

Em relação ao porto da Palmeira, na ilha do Sal, informou a mesma fonte, está concluído o molhe número um, mas faltaram as condições financeiras para terminar o projeto, ou seja, ficou a faltar toda a superstrutura terrestre.

Neste momento, a montagem financeira está em finalização, para se lançar o concurso para a parte da superestrutura portuária, que inclui parque de estacionamento, parque de contentores, oficinas, escritórios, centros de pequenas encomendas, “num formato que desenhamos e que está a funcionar bem nos porto da Praia e no Porto Grande”, e também uma estrada de acesso ao novo molhe construído, segundo Jorge Maurício.

Para o porto do Tarrafal de São Nicolau, a Enapor encontra-se a ultimar a atualização do ‘masterplan’ e a negociar terrenos à volta do porto, que são privados. Dessa forma, a empresa terá toda a documentação pronta para avançar à próxima fase: a montagem do projeto e a montagem financeira.

Relativamente ao porto do Porto Novo, em Santo Antão, a Enapor já tem as opções técnicas para a expansão do porto, já que a primeira fase “não trouxe qualquer valor acrescentado, infelizmente”.

“O projeto era maior, é verdade, não houve condições financeiras para o concluir, e a fase executada não trouxe valor acrescentado nem à mercadoria, nem aos passageiros e nem aos navios”, concretizou o responsável, daí, assinalou, “urge dar continuidade” ao projeto, expandir, ter condições para receber navios de maior porte, cruzeiros e de carga geral, e duas rampas roll-on roll-off para permitir em simultâneo dois navios a operar.

Questionado sobre previsão de datas para arranque das obras, o presidente do conselho de administração da Enapor explicou que falar de datas em projectos portuários não é fácil. “Ainda por cima em Cabo Verde em que, hoje, falar de datas tornou-se algo muito sagrado, rígido, mas projectos do tipo não se coadunam com datas”, concretizou, até porque, continuou, implicam estudos, montagem financeira, montagem legal e administrativa e montagem concursal, várias etapas que requerem “muito trabalho e eficiência”, frisou.

Ler mais
Recomendadas

Portugal tratou 8.344 doentes dos PALOP em quatro anos. Cabo Verde é o segundo com mais transferências médicas

As especialidades mais procuradas são a cardiologia, a oncologia, a oftalmologia, a pediatria, a urologia, a otorrinolaringologia, a cirurgia geral e cirurgia pediátrica, a ortopedia e a neurocirurgia. Em 2019, Angola enviou 46 doentes, Cabo Verde 619, a Guiné-Bissau 681, Moçambique 35 e São Tomé e Príncipe 234.

G20 diz que mais de metade dos países africanos pediram alívio da dívida

Entre os 30 países africanos que pediram um alívio da dívida estão os lusófonos Angola, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, que assinaram já um memorando de entendimento com o Clube de Paris, que operacionaliza a DSSI.

Mais de 300 trabalhadores pediram subsídio para quarentena em Cabo Verde

Nos meses de abril, maio e junho, o instituto público que gere as pensões cabo-verdianas recebeu 335 pedidos para atribuição do subsídio por isolamento profilático, uma quarentena estipulada em 14 dias, no valor equivalente a 70% do salário mensal auferido pelo trabalhador.
Comentários