Portugal 2020 atinge taxa de compromisso de 111% e taxa de execução de 65%

As aprovações ascendem a mais de 480 mil operações em setembro, a que correspondem 29,9 mil milhões de euros de fundos aprovados, estando 17,4 mil milhões de euros de fundos executados.

O Portugal 2020 atingiu uma taxa de compromisso de 111% e uma taxa de execução de 65% no terceiro trimestre, segundo os dados divulgados esta quinta-feira pela Agência para o Desenvolvimento e Coesão (AD&C).

De acordo com os dados divulgados, em comunicado, a taxa de execução registou um acréscimo de 834 milhões de euros de despesa executada face a junho de 2021.

A dotação dedicada ao Desenvolvimento Rural (FEADER) no Portugal 2020 foi incrementada por uma dotação adicional no terceiro trimestre, o que corresponde a 1.031 milhões de euros, dos quais 890 milhões de euros do PDR2020, 87 milhões de euros do PRORURAL+ e 53 milhões de euros do Proderam2020.

“Trata-se de recursos relativos ao quadro financeiro de 2021-2027, que são agora integrados no Portugal 2020, com vista a apoiar o período transitório 2021-2022. Sem este reforço de programação as taxas no final de setembro, seriam 115% de compromisso e 67% de execução”, refere a AD&C, salientando que “houve ainda, neste período, a alocação da dotação adicional relativa aos fundos Next Generation EU”.

Os dados indicam que as aprovações ascendem a mais de 480 mil operações em setembro, a que correspondem 29,9 mil milhões de euros de fundos aprovados, estando 17,4 mil milhões de euros de fundos executados. Já o valor de fundos pagos aos beneficiários totalizou 18,2 mil milhões de euros, o equivalente a 68% dos fundos programados no Portugal 2020.

Recomendadas

Portugal é o 13º país da UE que maior percentagem de gastos públicos dedica a I&D

A investigação e desenvolvimento sofreu no último ano, com o valor total investido pelos governos europeus a cair em relação a 2019, apesar do peso no PIB da UE até ter crescido, dada a queda deste indicador.

Hélder Rosalino destaca projeto do Eurosistema para a emissão da moeda digital do banco central como desafio para novo mandato

O administrador do Banco de Portugal diz que “para ter capacidade de influenciar o desenho do chamado Euro digital e capacidade de apoiar o sistema financeiro nacional caso o projeto avance, o banco terá de participar ativamente na fase de investigação, que decorrerá até 2023, e na fase da implementação, operacionalizando a infraestrutura que vier a ser disponibilizada”.

Reposição do princípio de avaliação mais favorável nas juntas médicas entra amanhã em vigor

Clarificação surge depois de partidos terem reclamado aplicação do princípio da avaliação mais favorável nas juntas médicas, pelo que no caso de reavaliação numa mesma patologia clínica se mantenha a decisão mais favorável para o doente. Regra entra em vigor a partir desta terça-feira, 30 de novembro, depois de milhares de pessoas com doenças incapacitantes estarem a perder o acesso ao atestado multiusos, a apoios sociais e fiscais, porque o princípio da avaliação mais favorável não estava a ser cumprido e deixou de existir após um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.
Comentários