Portugal afasta-se do objetivo nacional de energia de fontes renováveis, revela Eurostat

De acordo com o gabinete estatístico europeu, Portugal está a 2,9 pontos percentuais de cumprir a meta nacional, tendo a proporção de energias renováveis recuado ligeiramente face a 2016 (28,4%).

Portugal consumiu 28,1% de energia proveniente de fontes renováveis, em 2017, ligeiramente abaixo do ano anterior (28,4%) e ainda longe da meta nacional (31%), segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Na média da União Europeia (UE), 17,5% da energia final consumida proveio, em 2017, de fontes renováveis, aquém do objetivo de 20% fixado.

Portugal ocupa o segundo lugar de um grupo de seis países com proporções de fontes renováveis entre os 20% e os 30%, logo depois da Estónia (29,2%).

De acordo com o gabinete estatístico europeu, Portugal está a 2,9 pontos percentuais de cumprir a meta nacional, tendo a proporção de energias renováveis recuado ligeiramente face a 2016 (28,4%).

A Suécia tinha a maior proporção de energia final bruta proveniente de fontes renováveis (54,5%), seguindo-se a Finlândia (41,0%), a Letónia (39,0%), a Dinamarca (35,8%) e a Áustria (32,6%).

No extremo oposto da tabela estavam o Luxemburgo (6,4%), a Holanda (6,6%) e Malta (7,2%).

Cada Estado-membro traçou o seu objetivo nacional para 2020, tendo em conta os diferentes potenciais de captação de energias renováveis e 11 já os tinham atingido em 2017.

Dos 17 Estados-membros restantes, a Holanda (7,4 pontos percentuais), a França (6,7 pontos), a Irlanda (5,3 pontos), o Reino Unido (4,8 pontos), o Luxemburgo (4,6 pontos), a Polónia (4,1 pontos) e a Bélgica (3,9 pontos) são os que se encontravam em 2017 mais longe dos objetivos que traçaram.

Ler mais
Recomendadas

PremiumPortugal atinge recorde de 24 milhões de turistas em 2019

Presidente do Turismo de Portugal acredita que o crescimento verificado no final do primeiro semestre se irá manter na segunda metade do ano.

Tem carro a gasóleo? Vem aí novo aumento na próxima semana

Já a gasolina vai sofrer uma descida pela segunda semana consecutiva.

PremiumIndústria 4.0: Aposta na formação é essencial para futuro da economia

Em janeiro deste ano a CIP publicou um estudo, elaborado pela McKinsey Global Institute e pela Nova School of Business and Economics, que apontou que a robotização e automação de alguns setores da economia poderão extinguir 1,1 milhões de postos de trabalho na próxima década.
Comentários