Portugal afasta-se do objetivo nacional de energia de fontes renováveis, revela Eurostat

De acordo com o gabinete estatístico europeu, Portugal está a 2,9 pontos percentuais de cumprir a meta nacional, tendo a proporção de energias renováveis recuado ligeiramente face a 2016 (28,4%).

Portugal consumiu 28,1% de energia proveniente de fontes renováveis, em 2017, ligeiramente abaixo do ano anterior (28,4%) e ainda longe da meta nacional (31%), segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Na média da União Europeia (UE), 17,5% da energia final consumida proveio, em 2017, de fontes renováveis, aquém do objetivo de 20% fixado.

Portugal ocupa o segundo lugar de um grupo de seis países com proporções de fontes renováveis entre os 20% e os 30%, logo depois da Estónia (29,2%).

De acordo com o gabinete estatístico europeu, Portugal está a 2,9 pontos percentuais de cumprir a meta nacional, tendo a proporção de energias renováveis recuado ligeiramente face a 2016 (28,4%).

A Suécia tinha a maior proporção de energia final bruta proveniente de fontes renováveis (54,5%), seguindo-se a Finlândia (41,0%), a Letónia (39,0%), a Dinamarca (35,8%) e a Áustria (32,6%).

No extremo oposto da tabela estavam o Luxemburgo (6,4%), a Holanda (6,6%) e Malta (7,2%).

Cada Estado-membro traçou o seu objetivo nacional para 2020, tendo em conta os diferentes potenciais de captação de energias renováveis e 11 já os tinham atingido em 2017.

Dos 17 Estados-membros restantes, a Holanda (7,4 pontos percentuais), a França (6,7 pontos), a Irlanda (5,3 pontos), o Reino Unido (4,8 pontos), o Luxemburgo (4,6 pontos), a Polónia (4,1 pontos) e a Bélgica (3,9 pontos) são os que se encontravam em 2017 mais longe dos objetivos que traçaram.

Ler mais

Recomendadas

Mais de mil famílias aguardam ainda resposta do IHRU sob apoios às rendas, reconhece secretária de Estado

A baixa adesão a estas medidas de apoio é justificada com a tentativa dos inquilinos de, face a algum rendimento disponível, honrarem os seus compromissos junto dos senhorios, segundo a secretária de Estado. Outras políticas como o Programa de Rendas Acessíveis também não têm tido o impacto desejado, reconhece.
Senado dos Estados Unidos

EUA: Senado aprova novo pacote de estímulos de 1,9 biliões de dólares

O voto duramente partidário resultou na aprovação, após longas negociações, de um novo pacote de estímulos à economia mais afetada no mundo pela Covid-19 que coloca a resposta pandémica em 4,95 biliões de euros até agora.

Madeira quer estar incluída no Banco de Fomento até final do mês

O vice-presidente do executivo madeirense considerou que “se há uma ajuda comunitária à constituição de um banco de fomento para servir a nível nacional, não faz qualquer sentido as regiões não estarem lá representadas”.
Comentários