Portugal conta com 40 mil desempregados ‘invisíveis’

Estudo aponta para diferenças substanciais entre os números oficiais do desemprego e os reais, fruto dos regimes de assistência social implementados durante a pandemia, que fazem com que um número substancial de trabalhadores perca rendimento e passe à inatividade sem ser contabilizado nas estatísticas oficiais do desemprego. Em Portugal, é estimado que o número de desempregados fora dos números oficiais represente menos 15 milhões de euros mensais de consumo.

Estados Unidos | Getty Images

A Companhia de Seguros de Crédito (COSEC) alerta que deverá haver mais 30 milhões de desempregados não incluídos nas estatísticas oficiais do desemprego a nível mundial, o que representa uma quebra do consumo interno global 12 mil milhões de euros mensais.

Em Portugal, esse número é de 40 mil desempregados ‘invisíveis’, isto é, fora da lista oficial de desemprego, mais 0,7 pontos percentuais (p.p.) do que o indicador oficial do INE aponta.

Este acréscimo do desemprego significa menos 15 milhões de euros mensais de consumo interno. Estes trabalhadores são abrangidos por regimes de assistência social, como o lay-off, que, pela sua natureza, são incluídos para fins estatísticos fora da população desempregada.

Citando um estudo da Euler Hermes, que analisou 25 economias da OCDE e emergentes, a COSEC refere que, em alguns casos, a taxa real de desemprego poderá estar 10 p.p. acima da estimada, particularmente nas economias em desenvolvimento. Por exemplo, na África do Sul estima-se um desfasamento entre o desfasamento de 16,7 p.p., no Chile de 15,8 p.p. e no Brasil de 10,4 p.p.

Mas também em economias mais desenvolvidas se verifica esta diferença. Em Espanha, por exemplo, o estudo indica que a taxa real de desemprego esteja nos 21,9%, uma diferença de 6 p.p. em relação aos valores oficiais. Na Irlanda, a diferença deverá ser igual, deixando a taxa de desemprego real em 11,4%. Em cada um dos países, o impacto no consumo é forte, com quebras mensais de 927 milhões de euros no caso espanhol e 166 milhões no irlandês.

Recomendadas

PremiumRui Rio procura tornar-se o líder da oposição que mais tardou a chegar ao poder

Triunfo sobre PauloRangel, na sua terceira vitória consecutiva em eleições diretas, leva a que o líder social-democrata esteja em condições de ultrapassar AntónioGuterres como o líder da oposição que mais tempo demorou a tornar-se primeiro-ministro. Quando disputar as próximas eleições legislativas Rio já levará 1.445 dias à frente do seu partido.

Aeroportos nacionais viram tráfego aumentar no terceiro trimestre mas ainda longe de níveis de pré-pandemia

Os aeroportos verificaram um aumento de passageiros no terceiro trimestre mas o tráfego ainda está longe dos níveis registados em 2019, ou seja, antes da pandemia.

Portugal com segunda maior subida mensal da UE nas vendas a retalho

As maiores quebras na comparação com outubro de 2020 foram observadas na Alemanha (-2,8%), Letónia (-2,3%) e Irlanda (-1,9%).
Comentários