Portugal conta com 40 mil desempregados ‘invisíveis’

Estudo aponta para diferenças substanciais entre os números oficiais do desemprego e os reais, fruto dos regimes de assistência social implementados durante a pandemia, que fazem com que um número substancial de trabalhadores perca rendimento e passe à inatividade sem ser contabilizado nas estatísticas oficiais do desemprego. Em Portugal, é estimado que o número de desempregados fora dos números oficiais represente menos 15 milhões de euros mensais de consumo.

Estados Unidos | Getty Images

A Companhia de Seguros de Crédito (COSEC) alerta que deverá haver mais 30 milhões de desempregados não incluídos nas estatísticas oficiais do desemprego a nível mundial, o que representa uma quebra do consumo interno global 12 mil milhões de euros mensais.

Em Portugal, esse número é de 40 mil desempregados ‘invisíveis’, isto é, fora da lista oficial de desemprego, mais 0,7 pontos percentuais (p.p.) do que o indicador oficial do INE aponta.

Este acréscimo do desemprego significa menos 15 milhões de euros mensais de consumo interno. Estes trabalhadores são abrangidos por regimes de assistência social, como o lay-off, que, pela sua natureza, são incluídos para fins estatísticos fora da população desempregada.

Citando um estudo da Euler Hermes, que analisou 25 economias da OCDE e emergentes, a COSEC refere que, em alguns casos, a taxa real de desemprego poderá estar 10 p.p. acima da estimada, particularmente nas economias em desenvolvimento. Por exemplo, na África do Sul estima-se um desfasamento entre o desfasamento de 16,7 p.p., no Chile de 15,8 p.p. e no Brasil de 10,4 p.p.

Mas também em economias mais desenvolvidas se verifica esta diferença. Em Espanha, por exemplo, o estudo indica que a taxa real de desemprego esteja nos 21,9%, uma diferença de 6 p.p. em relação aos valores oficiais. Na Irlanda, a diferença deverá ser igual, deixando a taxa de desemprego real em 11,4%. Em cada um dos países, o impacto no consumo é forte, com quebras mensais de 927 milhões de euros no caso espanhol e 166 milhões no irlandês.

Recomendadas

Presidente da República exige maior controlo da legalidade na contratação pública

“É naturalmente compreensível – e até desejável – a necessidade de simplificação e de aperfeiçoamento de procedimentos em matéria de contratação pública que possam, com rigor, implicar a melhoria das condições de vida dos portugueses e permitir flexibilizar a atribuição e a alocação dos referidos fundos”, salientou Marcelo Rebelo de Sousa.

Presidente da República veta diploma que altera regras de contratação pública

Este veto do chefe de Estado foi divulgado no portal da Presidência da República.

Natal e passagem de ano: estas são as 14 regras que vão vigorar

Restaurantes abertos até à uma da manhã nas noites de natal e de passagem de ano, e natal sem interdição de circulação entre concelhos são algumas da medidas que vão vigorar durante a época festiva. Governo avalia medidas a 18 de dezembro à luz da evolução da pandemia da Covid-19.
Comentários