Portugal e Espanha estudam parceria no turismo para a América Latina

Numa iniciativa inédita, as Secretárias de Estado do Turismo de Portugal e de Espanha, juntamente com o vice-ministro do Peru, reuniram-se para debater a recuperação da confiança.

Numa iniciativa inédita, as Secretárias de Estado do Turismo de Portugal e de Espanha, juntamente com o vice-ministro do Peru, reuniram-se a convite do Instituto para a Promoção da América Latina e Caraíbas (IPDAL), para debater a recuperação da confiança nos seus respetivos destinos.

O XII Fórum do Turismo ‘Portugal – América Latina’, que contou com o apoio da Deloitte, da Universidade Europeia, do BPI e da COSEC, reuniu as propostas de Rita Marques, de Isabel Oliver e de Guillermo Cortés, para que os três países mantenham o turismo como prioridade económica.

As governantes de Espanha e Portugal revelaram que se encontram a estudar protocolos de entendimento e ações conjuntas, que permitam captar mais turistas dos principais mercados emissores. O representante do executivo peruano confirmou que Portugal ainda não é um destino conhecido no seu país e que a falta de ligações aéreas diretas continua a ser um dos principais obstáculos.

O  Fórum  decorreu  online esta quarta-feira  e  foi  dedicado  ao  tema  ‘Recuperar  a Confiança’. Foram apresentadas propostas para reanimar a indústria do turismo, neste período de  emergência,  a  partir  da  perspetiva  do  viajante;  do  passageiro  de  transporte  aéreo;  do empresário; do destino turístico, a nível nacional e europeu, bem como da próxima geração de profissionais.

O debate contou ainda com a participação de Cláudia Monteiro de Aguiar, Deputada ao Parlamento Europeu, Pedro Costa Ferreira, Presidente da a Associação Portuguesa dos Agentes de Viagens e Turismo (APAVT), Antónia Correia, Diretora da Faculdade de Tourism and Hospitality da Universidade Europeia, Manuela Barber, Country Manager da Iberia em Portugal, Pedro Coelho, Diretor Central do Banco BPI, e Sara Poeiras, Diretora da COSEC.

Assistiram ao Fórum os Embaixadores da América Latina e de Espanha, tal como dezenas de empresas – as principais companhias aéreas a operar em Portugal, grupos hoteleiros, agentes de viagens e tour operadores – e associações do setor, como a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) e a Associação da Hotelaria de Portugal (AHP).

O Instituto para a Promoção da América Latina e Caraíbas (IPDAL) é uma organização sem fins lucrativos que se dedica a promover a América Latina em Portugal e Portugal na América Latina, nomeadamente através da diplomacia económica e da diplomacia pública.

Fazem parte do IPDAL todas as embaixadas latino-americanas acreditadas junto do governo português, empresas, associações, universidades, entre outros. O IPDAL foi criado em 2006 e dedica-se a atividades institucionais, empresariais, institucionais e culturais.

Ler mais

Recomendadas

Covid-19: Mais de 530 mil pessoas vacinadas na região Centro

João Paulo Rebelo falava no âmbito de uma visita que realizou aos concelhos do Fundão e da Covilhã, no distrito de Castelo Branco, e que também contou com a presença do secretário de Estado Adjunto e da Saúde, António Lacerda Sales, e da secretária de Estado para a Integração e as Migrações, Cláudia Pereira.

“Governo beneficia casinos mas esquece os trabalhadores”, diz federação intersindical

A Federação intersindical do setor do turismo exige medidas de apoio aos trabalhadores dos casinos, depois do Executivo ter decidido isentar estes estabelecimentos do pagamento do imposto de jogo e prolongado as concessões dos casinos de Lisboa, Estoril e Figueira da Foz, que terminaram a 31 de dezembro de 2020. FESAHT acusa o Governo: “aos patrões do jogo dá tudo, tudo, aos trabalhadores dá nada, nada”.

EUA: Produção industrial sobe pelo segundo mês seguido, apesar de constrangimentos no sector automóvel

A indústria norte-americana beneficiou com a reabertura de várias fábricas dos estados do sul afetados pela tempestade de fevereiro, mas a indústria automóvel penalizou o resultado final, com uma queda de 4,3% na produção a refletir as dificuldades causadas pelos atrasos no fornecimento de chips.
Comentários