Portugal entre os 15 melhores países em sistemas energéticos, segurança, equidade e sustentabilidade

Suécia, Suíça e Dinamarca mantêm os três primeiros lugares em relação ao ano anterior, respetivamente. No restante top 20, apenas figuram cinco países de outros continentes que não o europeu: Canadá, Nova Zelândia, Estados Unidos, Uruguai e Japão.

A primeira central eólica marítima (offshore) em Portugal já produziu eletricidade suficiente para abastecer 60 mil famílias durante um ano. A eletricidade é transportada para terra através de um cabo submarino

Portugal é o 14º classificado numa lista de 127 países ao nível segurança energética, equidade na oferta de energia e impacto ambiental, segundo o ‘World Energy Trilemma Index 2021’, elaborado pela consultora Oliver Wyman em conjunto com o Conselho Mundial de Energia (CME).

A Suécia, Suíça e Dinamarca mantêm os três primeiros lugares em relação ao ano anterior, respetivamente. No restante top 20, apenas figuram cinco países de outros continentes que não o europeu: Canadá, Nova Zelândia, Estados Unidos, Uruguai e Japão.

O continente europeu destaca-se no topo do ranking, com uma agenda energética fortemente orientada para a sustentabilidade, em detrimento dos combustíveis fósseis. Em 2020, ano marcado pela pandemia de Covid-19 e que desencadeou uma queda significativa na procura de energia, baixou 17% em abril na Europa, no pico do primeiro confinamento.

As energias renováveis ​​ganharam espaço no velho continente, gerando até 38% da eletricidade consumida e superando pela primeira vez o carvão e o gás como principal fonte de geração de eletricidade. A região europeia tem também uma pontuação elevada em equidade de energia, melhorando as pontuações este ano, apesar de a pandemia ter exposto vulnerabilidades sociais e mais preocupações sobre o acesso à energia.

Recomendadas

Emissões de gases com efeito de estufa aumentaram 18% na União Europeia

Os responsáveis pela maior parte das emissões de gases com efeito de estufa foram a indústria e construção, o fornecimento de eletricidade e a agricultura (14%), divulga o Eurostat.

Projeto de 31 milhões de euros para proteção florestal vai beneficiar 15 mil hectares

O projeto terá em conta também a redução do risco de incêndio, com a diversificação e combinação de espécies, criação de faixas de gestão de combustível e vigilância regular.

Premium“Não podemos ter mil hectares intervencionados com um enclave”, afirma secretário de Estado das Florestas

Arrendamento forçado é apontado pelo secretário de Estado das Florestas como garantia de que “ínfima minoria” não condicione áreas que podem travar incêndios e garantir apoios a produtores até agora excluídos desses rendimentos.
Comentários