Portugal está no Top 6 dos países com pior poder de compra da zona euro

Os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat mostram que o poder de compra de Portugal, quando comparado com a média dos outros países de moeda única, é um dos mais baixos, estando entre o do Chipre (abaixo) e o da Eslováquia (acima). Ainda assim, em 2016 subiu para 77,3% em relação à media da União Europeia.

Os dados divulgados esta quinta-feira de manhã pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que o poder de compra de Portugal, quando comparado com a média dos outros países de moeda única, é um dos mais baixos, estando entre o do Chipre (abaixo) e o da Eslováquia (acima).

Ainda assim, em 2016 subiu para 77,3% em relação à media da União Europeia, segundo os mais recentes dados do INE. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita expresso em Paridades de Poder de Compra (PPC), a fórmula que calcula o poder de compra entre vários países, situou-se em 77,3% da média da União Europeia, o que corresponde a um valor ligeiramente superior ao observado em 2015 (76,8%).

“Entre os 19 estados membros que integram a zona euro, Portugal ocupava em 2016 a 14ª posição, abaixo do Chipre (82,6) e à frente da Eslováquia, Lituânia, Estónia, Grécia e Letónia. Em termos nominais, o PIB per capita de Portugal em 2016 apresentou um crescimento positivo (3,3%), determinado pelo aumento nominal do PIB (3,0%) e pela diminuição da população (-0,3%)”, refere o relatório do organismo de estatística nacional.

Quanto à Despesa de Consumo Individual per capita, o INE considera que “o posicionamento relativo de Portugal é idêntico à indicada pelo PIB per capita no conjunto dos países considerados”, uma vez que também ocupa a 14ª posição entre os países da zona euro.

Ranking 

  • Portugal – 14º
  • Eslováquia – 15 º
  • Lituânia – 16º
  • Estónia – 17º 
  • Grécia – 18º
  • Letónia – 19º

Índices de volume per capita: PIB e Despesa Consumo Individual 2016 (UE28=100)

Fonte: Eurostat

Ler mais
Recomendadas

Rio recusa soluções para professores em que parlamento se substitua ao Governo

O líder do PSD voltou a defender que o tempo que esteve congelado “deve contar na globalidade” e que os sete anos ainda não contabilizados pelo executivo deveriam resultar de um equilíbrio entre vários fatores.

Rui Rio: “Défice foi alcançado à custa de um enorme aumento de impostos”

O presidente do PSD considerou que, face ao andamento da economia internacional que permitiu algum crescimento, “o Governo poderia, com grande facilidade, ter conseguido um resultado substancialmente melhor”, “perto do equilíbrio orçamental”.

Marcelo sobre as relações familiares no Governo: “Família de Presidente não é Presidente”

“Tenho sobre essa matéria uma posição muito pessoal, ao longo da minha vida política e também agora no exercício da presidência, que é o entender que família de Presidente não é Presidente. E portanto nisso peco por excesso, no sentido de entender que deve haver uma visão, sobretudo num órgão unipessoal como é o Presidente, mas tem marcado a minha vida, que é de não confundir as duas realidades”, referiu. o Presidente da República.
Comentários