Portugal está no Top 6 dos países com pior poder de compra da zona euro

Os dados divulgados esta quinta-feira pelo Eurostat mostram que o poder de compra de Portugal, quando comparado com a média dos outros países de moeda única, é um dos mais baixos, estando entre o do Chipre (abaixo) e o da Eslováquia (acima). Ainda assim, em 2016 subiu para 77,3% em relação à media da União Europeia.

Os dados divulgados esta quinta-feira de manhã pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) mostram que o poder de compra de Portugal, quando comparado com a média dos outros países de moeda única, é um dos mais baixos, estando entre o do Chipre (abaixo) e o da Eslováquia (acima).

Ainda assim, em 2016 subiu para 77,3% em relação à media da União Europeia, segundo os mais recentes dados do INE. No ano passado, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita expresso em Paridades de Poder de Compra (PPC), a fórmula que calcula o poder de compra entre vários países, situou-se em 77,3% da média da União Europeia, o que corresponde a um valor ligeiramente superior ao observado em 2015 (76,8%).

“Entre os 19 estados membros que integram a zona euro, Portugal ocupava em 2016 a 14ª posição, abaixo do Chipre (82,6) e à frente da Eslováquia, Lituânia, Estónia, Grécia e Letónia. Em termos nominais, o PIB per capita de Portugal em 2016 apresentou um crescimento positivo (3,3%), determinado pelo aumento nominal do PIB (3,0%) e pela diminuição da população (-0,3%)”, refere o relatório do organismo de estatística nacional.

Quanto à Despesa de Consumo Individual per capita, o INE considera que “o posicionamento relativo de Portugal é idêntico à indicada pelo PIB per capita no conjunto dos países considerados”, uma vez que também ocupa a 14ª posição entre os países da zona euro.

Ranking 

  • Portugal – 14º
  • Eslováquia – 15 º
  • Lituânia – 16º
  • Estónia – 17º 
  • Grécia – 18º
  • Letónia – 19º

Índices de volume per capita: PIB e Despesa Consumo Individual 2016 (UE28=100)

Fonte: Eurostat

Ler mais

Recomendadas

Emprego com remuneração insuficiente afeta quase 500 milhões de pessoas

Quase 500 milhões de pessoas no mundo trabalham menos horas pagas do que gostariam ou não têm acesso a um emprego suficientemente remunerado, de acordo com um relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgado hoje.

José Eduardo dos Santos cancela entrevista à Lusa

José Eduardo dos Santos tinha uma entrevista marcada com a Agência Lusa, mas acabou por cancelá-la. O ex-presidente de Angola explicou que deixou de haver condições para realizar a dita entrevista.

Paulo Trigo Pereira: “Se tiver excedentes orçamentais a economia cresce menos”

O economista e professor universitário defendeu que “não basta dizer na folha de excel qual o saldo necessário para reduzir a dívida” e sustentou que “a sustentabilidade da dívida tem três dimensões: económico-financeira, social e política”.
Comentários