Portugal paga mais para emitir 970 milhões de euros em dívida a dez anos

IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e Dívida Pública pagou uma taxa de alocação de 0,333%, acima dos 0,264% registados no último leilão de Obrigações do Tesouro com maturidade a 10 anos.

O IGCP – Agência de Gestão de Tesouraria e Dívida Pública emitiu esta quarta-feira 970 milhões de euros em Obrigações do Tesouro (OT) a 10 anos, tendo pago uma taxa de alocação de 0,333%. Portugal pagou assim mais do que no último leilão comparável, em setembro, em linha com o esperado pelos analistas.

O organismo liderado por Cristina Casalinho tinha estabelecido como montante indicativo 750 a mil milhões de euros. A procura superou a oferta em 1,63 vezes.

Em setembro, no último leilão comparável, Portugal registou um novo mínimo de sempre na emissão de OT nesta maturidade ao pagar uma taxa de alocação de 0,264% para emitir 600 milhões de euros.

“Esta subida acaba por refletir um movimento que assistimos em toda a dívida soberana europeia, a título de exemplo os 10 anos alemães vieram dos -0,564% para os -0,288%”, explica Filipe Silva, diretor de gestão de ativos do Banco Carregosa. “As políticas acomodatícias dos bancos centrais, bem como o abrandamento económico mundial, continuam a suportar as taxas de juro em mínimos históricos. Tendência que não deve mudar muito nos próximos meses”, acrescenta.

“O cenário atual tem permitido a Portugal estender a maturidade da sua dívida a taxas cada vez mais baixas. No inicio do ano para o mesmo prazo estávamos a pagar 1,568% e agora pagamos 0,333% é esta poupança que tem permitido ter margem de manobra para reembolsar antecipadamente alguns dos empréstimos concedidos pelo Fundo Europeu de Estabilização Financeira”, conclui Filipe Silva.

No mercado secundário, os juros da dívida portuguesa a dez anos negoceiam esta quarta-feira nos 0,35%.

Portugal regressa ao mercado para emissão a longo prazo, mas pode não renovar mínimos nas taxas de juro

[Atualizado às 11h15]

Ler mais

Recomendadas

Bruxelas pede que não sejam concedidos apoios públicos a empresas com sede em paraísos fiscais

O objetivo da recomendação da Comissão Europeia passa por fornecer orientações aos 27 sobre como estabelecer condições para o apoio financeiro, que permitam prevenir a utilização abusiva de fundos públicos e reforçar as salvaguardas contra os abusos fiscais em toda a União Europeia.

PIB da Madeira pode diminuir entre 16% e 20% já este ano, diz Pedro Calado

O governante realçou que a estratégia de futuro vai passar pela construção de uma economia menos dependente do setor da construção e do turismo.

Reino Unido. Recessão de 14% poderá aumentar dívida pública em 400 mil milhões de libras

Numa perspetiva mais pessimista, a recessão poderá variar entre os 12,4% e os 14,3%, enquanto que num cenário mais otimista a queda poderá situar-se nos 10,6% e a dívida em 263 mil milhões de libras.
Comentários