Portugal registou mais de 150 mil ataques informáticos em abril

A empresa de cibersegurança Kaspersky revela que os «ataques de força bruta» aumentaram durante o período de confinamento/quarentena.

Rawpixel/Freepik

A multinacional de cibesegurança Kaspersky revelou os números dos ataques informáticos que ocorreram entre fevereiro e abril e concluiu que os «ataques de força bruta» aumentaram durante o período de confinamento/quarentena.

Segundo a empresa russa, em Portugal, foram «registados mais de 150 mil ataques» em abril. Isto representa um crescimento de 73% entre aqueles dois meses – de 90 920 para 157 147.

Estes ataques de força bruta foram «direcionados ao emote Remote Desktop Protocol (RDP), uma das ferramentas de acesso remoto mais populares para postos de trabalho ou servidores».

Um ataque de força bruta tem como objetivo descobrir nomes de utilizador e passwords através de um processo de «tentativa e erro» que insiste até que a combinação certa seja descoberta.

Durante o mês de março, o número total de ataques de força bruta nos países indicados aumentou de quase 29 milhões para mais de 96 milhões, um aumento de «236% em relação ao número total de ataques que ocorreram em Fevereiro».

A empresa justifica este aumento com a transição forçada para o teletrabalho e deixa uma recomendação: «À medida que o trabalho remoto continua, os funcionários devem tomar precauções de segurança adicionais, como a criação de uma palavra-passe forte para as ferramentas de acesso remoto», revela Dmitry Galov, investigador de segurança da Kaspersky.

PCGuia
Ler mais
Recomendadas

Concessionários de praia cumprem regras mas não conseguem “fazer face aos prejuízos”

Segundo João Carreira, esta situação está a acontecer aos empresários a nível nacional, mas sobretudo no Algarve, “onde há uma quebra muito grande de turistas”, que, especificou, ronda os 90%.

Português barrado à porta. Estes 14 países bloqueiam ou limitam a entrada de portugueses

A Europa está reabrir progressivamente as fronteiras mas nem todos os países autorizam a entrada de cidadãos portugueses. Existem oito países que colocam Portugal na lista vermelha de países, proibindo-lhe a entrada, enquanto que outros seis impõe restrições a viajantes portugueses.

Portugal continua com menos gente e cada vez mais velho

Uma população mais pequena, mais idosa, mas com poucas diminuições na percentagem em risco de pobreza. Tendência de decréscimo populacional e envelhecimento poderia ser ainda mais notória, não fosse o saldo migratório
Comentários