Portugal regressa ao mercado na quarta-feira para financiar-se até 1.750 milhões de euros

Os dois leilões das linhas de bilhetes do tesouro têm maturidades a seis meses e um ano, segundo o IGCP – Agência da Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública

O IGCP – Agência da Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública anunciou esta sexta-feira que irá realizar, no próximo dia 15 de julho, por volta das 10h30, um duplo leilão de dívida de curto prazo.

Os dois leilões das linhas de Bilhetes do Tesouro (BT) com maturidades em 15 de janeiro de 2021 – seis meses – e 16 de julho de 2021 – um ano – têm um montante indicativo global entre 1.500 milhões de euros e 1.750 milhões de euros.

Em meados de junho, o  IGCP informou que, na sequência da apresentação do Orçamento Suplementar por parte do Governo, quase duplicou as necessidades de financiamento para 2020. No documento com os novos valores do programa para o terceiro trimestre, o IGCP detalha que o valor subiu para 20,3 mil milhões de euros este ano, um valor superior aos 10,7 mil milhões de euros projetados anteriormente.

Já em Obrigações do Tesouro (OT) serão emitidos 29,3 mil milhões de euros – ou seja, mais 14 mil milhões de euros – e mais mil milhões de euros em Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV), as obrigações para o retalho.

Recomendadas

Nasdaq escapa às quedas de Wall Street

Do outro lado do Atlântico, o Dow Jones perde 0,27% para 27,900.52 pontos, seguindo-lhe S&P 500 que desliza 0,05% para 3,368 pontos. Em sentido inverso, o tecnológico Nasdaq sobe 0,58% para 11,079.50 pontos.

Bolsas europeias seguem em baixa

O principal índice português não é exceção e negoceia em terreno negativo, com um deslize de 0,30% a meio da sessão desta quinta-feira. BCP, Galp Energia e Jerónimo Martins caem menos de 1%.

Ações da dona do Correio da Manhã valorizam-se mais de 18%

As ações da Cofina seguiam hoje a meio da manhã a valorizar-se mais de 18%, depois de na quarta-feira a empresa de Paulo Fernandes ter lançado uma Oferta Pública de Aquisição sobre 100% da Media Capital.
Comentários