Portugal tem tido “grande bom senso e grande racionalidade” no conflito com Venezuela, diz Presidente da República

“Eu não queria estar a comentar, mas é conhecida a posição portuguesa. Portugal tem uma posição que tem sido uma posição de grande serenidade e de grande bom senso e de grande racionalidade, defendendo o diálogo, defendendo a prioridade à realização de eleições presidenciais que legitimem um processo pacífico de evolução futura”, respondeu o Presidente da República durante a visita à Índia.

| Twitter

O Presidente da República defendeu hoje que Portugal tem tido uma posição “de grande bom senso e de grande racionalidade” em relação à Venezuela, escusando-se a comentar as acusações à TAP e ao embaixador português em Caracas.

Marcelo Rebelo de Sousa, que se encontra em visita de Estado à Índia, foi questionado pela comunicação social sobre as acusações das autoridades venezuelanas no Museu Nacional, em Nova Deli, onde inaugurou uma instalação da artista portuguesa Joana Vasconcelos.

“Eu não queria estar a comentar, mas é conhecida a posição portuguesa. Portugal tem uma posição que tem sido uma posição de grande serenidade e de grande bom senso e de grande racionalidade, defendendo o diálogo, defendendo a prioridade à realização de eleições presidenciais que legitimem um processo pacífico de evolução futura”, respondeu.

Segundo o chefe de Estado, “portanto, Portugal é o primeiro a querer, até pela comunidade portuguesa que lá existe, que o processo na Venezuela seja um processo sem ruído e sem questões que coloquem, do ponto de vista humano e do ponto de vista social e do ponto de vista da vida do dia a dia, problemas adicionais à comunidade portuguesa”.

O Presidente da República tinha ao seu lado o ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, que hoje considerou que a acusação dirigida pelas autoridades venezuelanas ao Governo português “não faz nenhum sentido” e afirmou que Portugal espera “que este pequeno incidente seja rapidamente ultrapassado”.

“Por via diplomática, vamos ver se a Venezuela nos dirige algum pedido de esclarecimento. Naturalmente, nenhuma nota verbal que é apresentada às autoridades portuguesas fica sem resposta”, acrescentou Augusto Santos Silva, em declarações aos jornalistas, num hotel de Nova Deli.

Na quinta-feira, as autoridades venezuelanas acusaram a TAP de permitir o transporte de explosivos e o embaixador de Portugal em Caracas, Carlos de Sousa Amaro, de interferir nos assuntos internos da Venezuela ao interceder pelo tio de Juan Guaidó, Juan Marques, que foi preso quando aterrou no mesmo voo da TAP.

Ler mais
Relacionadas

Governo abre investigação a voo para a Venezuela após acusações à TAP

O Ministério da Administração Interna determinou à IGAI uma “averiguação para apuramento dos factos”. Em causa estão acusações de conivência na tentativa de entrada de explosivos na Venezuela.

Augusto Santos Silva diz que explosivos em voo da TAP para Venezuela “não tem sentido nenhum”

O Governo venezuelano justificou detenção do tio de Juan Guaidó com a tentativa entrar na Venezuela com explosivos C4 e apontou o dedo à TAP e a Portugal.

Governo português e TAP acusados de conivência na tentativa de entrada de explosivos na Venezuela

Governo português e TAP foram visados por Deusdado Cabello, presidente da Assembleia Constituinte da Venezuela. Em causa, acusações de tentativa de entrada de explosivos em território venezuelano.
Recomendadas

Contas do PSD congeladas por causa de dívida de mais de seis mil euros a serralheiro

Em causa está um episódio que remonta às eleições autárquicas de 2017, quando o PSD requereu serviços a um serralheiro para montar estruturas para cartazes em São Pedro do Sul, distrito de Viseu. O partido não pagou a totalidade da conta porque queria que fossem os responsáveis locaais a assumirem os custos.

PremiumPS mantém avanço sobre PSD, Chega sobe a quinto partido e CDS em queda

Bloco de Esquerda desce para 7,7% em fevereiro, mas permanece a terceira força, enquanto oCDS-PP tomba para 2,1% e já só está à frente do Livre.
António Costa Assina OE2020

PremiumGoverno sem plano para coronavírus na função pública

Sindicatos da Administração Pública alertam para inexistência de instruções para lidar com Covid-19. Reclamam segurança de funcionários e utentes.
Comentários