Portugal teve o terceiro maior défice da zona euro no terceiro trimestre

Os défices na zona euro caíram para 5,8% do PIB no terceiro trimestre do ano passado, em termos ajustados de sazonalidade. O défice de Portugal igualou o de Espanha e fixou-se acima da média dos países da moeda única.

A média dos défices na zona euro caiu para 5,8% do PIB no terceiro trimestre do ano passado, em termos ajustados de sazonalidade, enquanto na União Europeia diminui para 5,6% do PIB, face ao segundo semestre. Os dados publicados esta quinta-feira pelo Eurostat revelam que Portugal, que atingiu um défice ajustado de sazonalidade de 7,7% entre julho e setembro, foi o terceiro país, igualando Espanha, da zona euro com o défice mais elevado.

“O rácio défice/PIB diminuiu devido ao crescimento do PIB, receitas mais elevadas e despesas mais baixas”, explica o organismo de estatísticas europeu. No segundo trimestre, os défices orçamentais da zona euro tinham-se fixado em 11,6% e a média dos países da União Europeia em 11,4% do PIB, um máximo histórico em termos trimestrais da série histórica desde 2002.

Ainda assim, no terceiro trimestre do ano passado, todos os Estados-membros continuaram a registar um défice orçamental. Entre os país com o défice orçamental mais elevado estão Malta (10,9% do PIB), Lituânia(8,7% do PIB) e Portugal e Espanha (ambos com 7,7% do PIB). Por outro lado, a Eslovénia (1,8% do PIB) e a Estónia (3,2% do PIB) foram os países da moeda única com os défices mais baixos.

No terceiro trimestre as receitas totais do governo na zona euro ascenderam a 46,2% do PIB, que compara com os 47,7% do PIB no segundo trimestre de 2020. Esta diminuição em percentagem do PIB deve-se a um aumento relativo mais forte do PIB do que o aumento da receita total, explica o Eurostat, dando nota que a despesa total na zona euro se fixou em 52,1% do PIB, “uma diminuição significativa do rácio em comparação com 59,6% no trimestre anterior”.

Recomendadas

Fórum para a Competitividade estima queda de até 8,5% do PIB no primeiro trimestre

“O confinamento mais estrito, somado ao autoconfinamento, terão tido um impacto económico acentuado, visível já nos primeiros indicadores do ano. No turismo, houve deterioração de expectativas, já sem esperança em relação à Páscoa”, argumenta a entidade.

Lisboa Protege. Autarquia disponibiliza 20 milhões de apoio às empresas a partir de hoje

Esta fase do programa está orçada em 35 milhões de euros, sendo que 20 milhões são para os empresários com quebra de faturação superior a 25% nos três primeiros trimestres do ano passado ou na totalidade dos trimestres.

Dívida pública recuou em janeiro depois de ter atingido máximo histórico

A dívida recuou 600 milhões entre dezembro e janeiro refletindo “essencialmente amortizações de títulos de dívida, no valor de 0,3 mil milhões de euros, e a redução de responsabilidades em depósitos no valor de 0,2 mil milhões”, de acordo com o Banco de Portugal.
Comentários