Portugal vai receber 545 milhões de euros em 2022 através do programa React-EU

O React-EU quer “apoiar a recuperação económica e social da crise do coronavírus”, promovendo a reparação da crise e aumentando a resiliência do sector da saúde e das empresas e dando “mais apoio aos grupos mais vulneráveis”.

Dos 11 mil milhões de euros que o programa de assistência à recuperação para a coesão e os territórios da auropa (React-EU) alocou para os Estados-Membros da União Europeia (UE), 545 milhões terão como destino Portugal. O objetivo é ajudar a recuperar económica e socialmente os países do bloco da crise provocada pela pandemia de Covid-19.

O React-EU quer “apoiar a recuperação económica e social da crise do coronavírus”, promovendo a reparação da crise e aumentando a resiliência do sector da saúde e das empresas e dando “mais apoio aos grupos mais vulneráveis”. Simultaneamente, a Comissão Europeia espera que seja dada prioridade à transformação digital e sustentável, de forma a conseguir uma recuperação “inteligente e coesa”.

Caberá agora aos Estados-Membros enviarem à Comissão Europeia os respetivos programas da política de coesão para 2021 e 2022, com prazo de validade até ao final de 2023. Estes fundos vêm juntar-se aos quase 40 mil milhões de euros disponibilizados em 2021.

Uma vez aprovadas estas alterações, os Estados-Membros poderão aceder aos novos recursos a partir de 1 de janeiro de 2022. A React-EU faz parte do NextGenerationEU e irá disponibilizar 50,6 mil milhões de euros de financiamento adicional (a preços correntes).

Recomendadas

SEDES propõe mais deputados eleitos pelas comunidades para melhorar relação com Portugal

O aumento do número de deputados eleitos pelos emigrantes e a adoção do voto eletrónico são algumas propostas apresentadas hoje pela SEDES para melhorar a relação entre Portugal e as suas comunidades no mundo. No seu V congresso, que decorre desde sexta-feira e até domingo em Carcavelos, concelho de Cascais, a SEDES – Associação para […]

PremiumEconomista Sérgio Rebelo diz que “é importante evitar os cortes súbitos de despesa e subidas de impostos”

O economista português, professor nos EUA, alerta que instabilidade política pode “facilmente” criar instabilidade económica com impacto para o refinanciamento da dívida portuguesa e diz que o país tem pouco espaço fiscal.

Imobiliário: tecnologia “abre a porta” a investimentos nacionais e estrangeiros

A tecnologia está a transformar de forma profunda a gestão das transações e o fecho das operações deste sector, numa tendência que já se verificava e que se intensificou com a pandemia e o incremento das soluções tecnológicas, exemplifica Ricardo Sousa, CEO da Century 21 Portugal.
Comentários