Portugal vê defesa europeia como reforço e não alternativa à NATO

Portugal encara e participa na Política Europeia de Segurança e Defesa com o objetivo de reforçar o pilar europeu da NATO e não de substituir a Aliança Atlântica, afirmou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros.

“Todos os esforços para intensificar a Política Europeia de Segurança e Defesa, todos os esforços para aumentar as capacidades de defesa da União Europeia (UE) e todos os esforços para que os europeus se entendam mais e cooperem mais neste domínio crítico da soberania são para nós um processo de robustecer o pilar europeu da NATO”, disse Augusto Santos Silva.

O ministro falava no encerramento de uma conferência sobre os 70 anos da NATO, organizada pela Fundação Luso-Americana, em Lisboa, durante a qual vários intervenientes abordaram as polémicas declarações do Presidente francês, Emmanuel Macron, à revista The Economist, de que “a NATO está morte cerebral” e é necessário desenvolver uma defesa europeia autónoma.

“Participamos na Cooperação Estruturada Permanente, apoiamos a constituição de um fundo europeu de defesa […], porque as vemos como formas de robustecer o pilar europeu da NATO, de os europeus assumirem mais plenamente a responsabilidade que lhes cabe enquanto pilar europeu da NATO”, reforçou.

“Sim, é preciso aumentar capacidades europeias em matéria de defesa, mas isso destina-se não a substituir a NATO, não a criar outra estrutura de defesa coletiva, mas a reforçar o pilar europeu da NATO”, frisou.

Santos Silva referiu, aliás, que por essa razão os responsáveis portugueses fogem “a expressões como autonomia estratégica da Europa” ou “soberania europeia” e adiantou que há uma resolução da Assembleia da República “recomendando ao Governo que não use a expressão exército europeu”.

O ministro já tinha começado a sua intervenção afirmando que, para Portugal, “a estrutura de defesa coletiva é inconcebível sem a NATO” e que Portugal não defende “qualquer processo para construir uma alternativa a essa organização” nem considera do seu interesse “enfraquecer essa organização”.

“É muito importante afirmar continuamente este ponto”, prosseguiu. “A NATO é a organização que une, para efeitos de defesa coletiva, as democracias da Europa e o Canadá e os Estados Unidos da América. A política externa e de defesa de Portugal não se concebem foram deste quadro desta estrutura”.

Augusto Santos Silva referiu-se também à Turquia, para frisar que é do interesse dos aliados mantê-la na organização.

“Reconheço que […] não parece muito curial [a Turquia] comprar material ao adversário da Aliança, realizar operações militares de ocupação territorial em concertação com esse adversário e ao arrepio das regras e princípios porque se regula a NATO e com a consequência de enfraquecer a capacidade dos aliados de lutarem contra a sua principal ameaça que é o terrorismo”, explicou.

Porém, “em política externa e de defesa” é preciso “distinguir o essencial e o acessório” e “procurar manter dentro da aliança a Turquia”, sem “perdoar, desculpar ou branquear”, mas, sendo “firme, exigente”, “procurar que não haja ruturas estratégicas indesejáveis”.

Ler mais
Recomendadas

Espiões russos usaram os Alpes franceses como base para ataques em vários países

Os agentes suspeitos do homicídio de Sergei Skripal no Reino Unido em 2018 passaram por esta região. No total, passaram pelos Alpes 15 operacionais da unidade 29155 da agência de espionagem russa GRU.

Cidade versus campo: Tribunal francês dá razão a 60 patos considerados “barulhentos”

O vizinho argumentou que não conseguia dormir com as janelas abertas, mas o tribunal considerou que estavam asseguradas as devidas distâncias entre as duas propriedades.

FMI aprova segunda fase do programa de Angola e ‘dá’ 222 milhões de euros

O Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou hoje o pagamento de 247 milhões de dólares a Angola, no seguimento da aprovação da segunda avaliação do programa de ajustamento financeiro, num total de 3,7 mil milhões de dólares.
Comentários