Portugal Ventures investe 1,3 milhões de euros em cinco startups de turismo

A sociedade pública de capital de risco apostou no “setor mais dinâmico da economia nacional” com um financiamento às seguintes empresas: Bag4Days, Classihy, Sailside, Try Portugal e X-Plora.

A Portugal Ventures anunciou esta segunda-feira que fez um investimento total de 1,3 milhões de euros em mais cinco startups ligadas ao turismo. A sociedade pública de capital de risco aumentou o seu portefólio de participadas com a chegada da Bag4Days, Classihy, Sailside, Try Portugal e X-Plora.

A entidade conta agora com 20 startups de turismo para as quais abriu os cofres. Para a Portugal Ventures, este é o “setor mais dinâmico da economia nacional”, pelo que requer “criação de mais oportunidades para melhorar as condições e experiências dos turistas que visitam o nosso país”.

A sociedade de venture capital nacional argumenta ainda que estes cinco financiamentos se devem à preocupação em colmatar uma falha de mercado no apoio a projetos finalistas dos programas de aceleração. É que estes projetos são oriundos, por exemplo, da iniciativa Call Fostering Innovation in Tourism (FIT), lançada em parceria com o Turismo de Portugal e o Nest – Centro de inovação do Turismo.

“Dá-nos a oportunidade de contribuir para posicionar Portugal como um polo de referência na inovação, no empreendedorismo e na produção de bens e serviços para a indústria do turismo”, explica Pedro de Mello Breyner, administrador executivo da Portugal Ventures. “O trabalho em conjunto com o Turismo de Portugal reflecte-se agora com o crescimento do nosso portefólio, com startups e projetos que vão ajudar a impulsionar o setor”, acrescenta.

A Portugal Ventures – que, ao longo de 2019, investiu 11,8 milhões de euros em 21 startups – tem quatro ‘calls’ abertas para projetos inovadores, de base científica e tecnológica, nas áreas da economia do mar, economia circular e energia e tecnologia aplicada à agricultura, para as quais se podem apresentar candidaturas até 31 de dezembro.

Quem são as cinco startups?

  • Bag4days – Liderada por Rúben Marques, é uma empresa de aluguer de malas de viagem que entrega e recolhem a bagagem em qualquer morada europeia indicada pelo cliente. A startup incentiva a prática sustentável de recursos através da partilha de bens duráveis.
  • Classihy – É uma plataforma que permite aos gestores das unidades hoteleiras/restauração gerir os seus funcionários de acordo com as valências necessárias para as várias funções. Liderada por Ariane de Melo, a empresa pretende ser uma disrupção nos sistemas de avaliação de desempenho.
  • Sailside Marketplace para aluguer de barcos em marinas. Liderada por João Vilas Boas, tem presença em Portugal, Espanha, Brasil e Emirados Árabes Unidos.
  • Try Portugal – Operador turístico e plataforma para programas e experiências personalizadas de turismo ativo, cultural e desportivo em Portugal, em particular no interior. É liderada por Catherine de Freitas e tem a sede no Fundão.
  • X-Plora – Aplicação móvel que guia os utilizadores através de museus, estádios, castelos ou mesmo cidades de uma forma interactiva e imersiva, através de conteúdo contextualizado: realidade aumentada e virtual, vídeos 360º, som binaural, entre outros. Liderada por Mafalda Ricca, a startup quer ser “a evolução do audioguia”.
Ler mais
Recomendadas

EDP e EDP Renováveis: “Quebra e recuperação das ações refletem a força e a proteção das marcas”, diz especialista em reputação

Certo é que ainda cedo para tirar mais ilações sobre o impacto deste caso na reputação e na marca da EDP. “Quanto aos impactos na força de marca e em particular na reputação, há que ter em atenção que se trata de uma marca com um índice de força claramente robusto e que temos obviamente de esperar mais algum tempo para aferir os impactos reais”, salientou João Baluarte, sócio da OnStrategy, empresa especialista em análise reputacional de empresas.

Deutsche Bank multado em mais de 130 milhões de euros após Epstein usar contas do banco para silenciar vítimas

De acordo com o “The New York Times”, o Deutsche Bank não fez “muitas perguntas” a Epstein para o ter como cliente. Nem mesmo quando foi observada a retirada de 100 mil dólares (88,6 mil euros) das contas do falecido multimilionário para “gorjetas e despesas domésticas”.

Lufthansa vai cortar mil empregos administrativos e reduzir novas aeronaves a metade

Como parte do plano de reestruturação, a companhia aérea anunciou que os cortes nos postos de trabalho vão incluir também os cargos administrativos e de gestão.
Comentários