Português integra equipa da ONU que vai investigar morte de Khashoggi

O ex-presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal Duarte Nuno Vieira vai investigar a morte do jornalista saudita Jamal Khashoggi na Turquia.

Uma equipa de especialistas da ONU, incluindo o português Duarte Nuno Vieira, começou hoje na Turquia uma investigação sobre o assassínio do jornalista Jamal Khashoggi, que ocorreu a 02 de outubro, no consulado saudita em Istambul.

De acordo com a televisão CNNTürk, a delegação, que chegou hoje a Ancara, é liderada pela relatora especial Agnés Callamard e composta ainda pela advogada Helena Kennedy e pelo médico legista Duarte Nuno Vieira.

Enquanto especialista forense, o ex-presidente do Instituto Nacional de Medicina Legal Duarte Nuno Vieira integrou já diversas missões internacionais em cerca de 30 países da Europa à América Latina, Ásia e África, no âmbito dos direitos humanos, sob a égide de instituições como a ONU, Cruz Vermelha Internacional, Comissão Europeia ou Amnistia Internacional, entre outras.

Esta equipa da ONU está no terreno, até ao dia 03 de fevereiro, para recolher detalhes das circunstâncias da morte do jornalista saudita.

Embora não tenham sido ainda revelados os detalhes sobre a agenda da visita, espera-se que a relatora especial da ONU para Execuções Extrajudiciais, Sumárias ou Arbitrárias, seja recebida pelo Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, e também que se reúna com o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Mevlüt Çavusoglu.

Além disso, a delegação, que segundo um comunicado do Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos vai tentar estabelecer “a natureza e o alcance da responsabilidade de Estados e de indivíduos no assassínio”, também se deslocará a Istambul, o local dos eventos.

O objetivo também é “identificar como os Estados podem fortalecer o cumprimento dos seus compromissos internacionais para proteger o direito à vida, prevenir violações e garantir as suas responsabilidades”, declarou Callamard antes de partir para a Turquia, segundo a CNNTürk.

O Governo turco criticou as autoridades sauditas por atrasar a investigação do caso e pediu, mais de uma vez, uma investigação internacional.

Na semana passada, Çavusoglu disse que havia chegado a hora de abrir uma investigação liderada pela ONU e que Erdogan havia ordenado os preparativos pertinentes.

Espera-se que os resultados sejam apresentados numa sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU em junho próximo.

Jamal Khashoggi, um colunista do jornal norte-americano The Washington Post, era um crítico aberto da monarquia de seu país e foi alegadamente morto e desmembrado por agentes sauditas, um crime que desencadeou uma vaga de indignação e condenação da comunidade internacional.

Onze pessoas foram indiciadas no caso deste assassínio, num processo aberto no início deste mês na Arábia Saudita, e a procuradoria pediu a pena de morte para cinco dos acusados.

Ler mais

Relacionadas

Khashoggi. Procuradoria-geral pede pena de morte a cinco suspeitos do assassinato do jornalista

Decisão ocorreu durante a primeira audiência no caso Khashoggi. Os 11 suspeitos compareceram em tribunal acompanhados dos seus advogados, segundo o comunicado do procurador-geral divulgado pela agência oficial SPA.

Khashoggi: Arábia Saudita condena resoluções do Senado dos Estados Unidos

A Arábia Saudita condenou hoje as resoluções aprovadas pelo Senado dos Estados Unidos contra o regime de Riade, uma sobre o conflito no Iémen e a outra sobre o assassínio do jornalista Jamal Khashoggi.

Khashoggi e jornalistas detidos eleitos como Personalidade de Ano 2018 pela ‘Time’

“Por correrem grandes riscos ao perseguir as maiores verdades, pela jornada imperfeita mas essencial pelos factos que são centrais para o discurso civil, por falarem e divulgarem, os guardiões – são a Personalidade do Ano da TIME”, justifica a revista.
Recomendadas

Portugueses recorrem cada vez mais ao crédito. 635 milhões em setembro

Os portugueses recorreram mais ao crédito no mês de setembro num total de 635 milhões de créditos contraídos. De acordo com uma nota publicada pelo Banco de Portugal esta sexta-feira, 15 de novembro, relativa à evolução dos novos créditos aos consumidores, os portugueses pediram um total de 295 milhões de euros em crédito pessoal, num […]
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo considera aumento do salário mínimo “razoável” e promulga hoje o diploma

O Presidente da República vai promulgar hoje o diploma que estabelece um aumento do salário mínimo nacional para 635 euros em 2020, que considera “uma solução razoável, a pensar na economia e na sociedade portuguesa”.

Carlos Costa: Instabilidade financeira iria “criar muitos problemas que alimentariam” populismos

Governador do Banco de Portugal voltou a apelar a uma vontade política decisiva para avançar com a conclusão da União Bancária e o desenvolvimento da União dos Mercados de Capitais, a fim de fortalecer a estabilidade da zona euro.
Comentários