Portugueses doaram menos 400 mil euros através do IRS

Os portugueses foram menos generosos no que toca aos donativos que dizem respeito a verbas a receber, apesar de terem aumentado as contribuições que não lhes saem diretamente do bolso.

As doações dos portugueses para as instituições particulares de solidariedade social (IPSS), através do IRS, caíram no ano passado. Os portugueses foram menos generosos no que toca aos donativos que dizem respeito a verbas a receber, apesar de terem aumentado as contribuições que não lhes saem diretamente do bolso, avança o “Jornal de Notícias”.

A parcela da poupança fiscal obtida com faturas de restaurantes e cabeleireiros, que é uma das formas de doar a instituições de caridade, caiu quase 900 mil euros em 2019. Ao invés disso, os portugueses aumentaram os seus donativos através dos 0,5% do IRS que pode ser doado a uma IPSS. Esta forma de dar dinheiro às instituições sem que o contribuinte sinta qualquer perda, aumentou cerca de 514 mil euros.

O ano passado, o valor total das doações chegou aos 16,2 milhões de euros. O número aponta para uma queda inédita de quase 400 mil euros. Aquando do preenchimento da declaração de IRS, foram 640.354 os agregados familiares que decidiram dar parte do seu imposto às quase 3.500 entidades que se tinham candidatado a este donativo.

Recomendadas

Zona Franca da Madeira: Bloco diz que decisão de Bruxelas põe em causa a capacidade da Autoridade Tributária nacional e regional de exercerem fiscalização

O Bloco quer ouvir com urgência no Parlamento o Governo depois de Bruxelas concluir que a “aplicação do regime de auxílios da Zona Franca da Madeira em Portugal” não cumpre as regras europeias. O BE deixa críticas à falta de fiscalização por parte da Autoridade Tributária central e da AT da Região Autónoma da Madeira. “A Zona Franca da Madeira continuou a ser utilizada para esquemas de planeamento fiscal agressivo”, disse a deputada Mariana Mortágua. Governo regional e a sociedade que gere a Zona Franca discordam das conclusões de Bruxelas.

Personalidades JE: Aníbal Cavaco Silva – Dez anos Presidente depois de uma década de Cavaquismo

Foi pela mão de Sá Carneiro que Cavaco Silva entrou na vida política “e foi nele que procurei inspiração no exercício das funções de Primeiro-Ministro”, como referiu na apresentação do seu último livro. Deixa para a história uma obra mais marcante nos dez anos em que liderou o Governo, nos quais viabilizou em Portugal investimentos tão relevantes como a Autoeuropa, a barragem do Alqueva ou a revitalização urbanística da Expo98. Depois do “Cavaquismo” foi Presidente da República durante outros 10 anos.

Apoio nas áreas da circulação, formação e investigação chega a 115 projetos, diz Direção-Geral das Artes

O Programa de Apoio a Projetos – Procedimento Simplificado, da Direção-Geral das Artes, nas áreas da circulação nacional, formação e investigação, vai apoiar 115 das 130 candidaturas apresentadas, anunciaram esta sexta-feira os serviços daquele organismo do Ministério da Cultura.
Comentários