Portugueses estão confiantes na economia, conclui estudo do IPAM

Um estudo da escola de marketing revela que a maioria dos portugueses acredita que o seu poder de compra irá manter-se ou mesmo aumentar em 2019.

De acordo com o estudo do IPAM ‘Comportamento do consumidor: o que mudou em 2018?’, os portugueses avaliam as suas situações económicas e financeiras de forma tendencialmente idêntica do que no ano anterior: 49% dos inquiridos revela que o seu rendimento aumentou em 2018 comparativamente ao ano anterior e 55% acredita que o seu poder de compra irá manter-se.

A escola de marketing refere ainda que “no que diz respeito à sua situação financeira, 54% continuam positivos após a acentuada melhoria de 2017 e manutenção em 2018”.

A perspetiva dos inquiridos para o ano de 2019 mantém a tendência positiva iniciada no ano anterior, com uma predominância de respostas a apontarem para a manutenção da situação. “Os inquiridos consideram que a situação do país vai manter-se, sendo idêntica a perspetiva face à posição financeira dos agregados familiares e do poder de compra. É, contudo, de destacar o aumento de perspetivas mais negativas”, refere o IPAM.

No âmbito da caracterização dos comportamentos e atitudes dos consumidores o estudo do IPAM procurou compreender qual a perspetiva dos portugueses para o futuro próximo. “Relativamente à situação do país verificou-se que 39% dos inquiridos consideram que a situação irá melhorar, mas 47% consideram que se irá manter. De referir que apenas 14% considera que a situação irá pior”.

Relativamente ao poder de compra, em linha com os resultados obtidos na caracterização da situação financeira, os consumidores avaliam as suas posições económicas e financeiras de forma tendencialmente idêntica ao ano anterior.

No que diz respeito ao rendimento disponível, 49% dos inquiridos consideram que o seu rendimento aumentou em 2018 quando comparado com o ano anterior. Quando questionados acerca das razões subjacentes ao aumento do orçamento disponível é referido por 46% dos inquiridos a integração no mercado de trabalho de algum elemento do agregado familiar.

Em contrapartida em relação às questões subjacentes à diminuição de rendimento, 14% dos inquiridos referem o aumento de despesas do agregado familiar e licença sem vencimento, 15% dos inquiridos destacam a redução salarial e 57% a situação de desemprego no agregado familiar.

De forma a compreender o comportamento dos consumidores em diferentes domínios, o estudo do IPAM procurou ainda identificar quais os fatores considerados prioritários na compra de produtos de diferentes categorias.

No caso dos produtos alimentares merece destaque a preocupação com a qualidade dos produtos (36%), bem como o preço dos produtos considerado importante para15% dos inquiridos.

Enquanto na compra dos bens não duráveis (roupa, sapatos, brinquedos, entre outros) os argumentos financeiros têm um peso muito importante, sendo a opção de 80% dos consumidores. A este nível, a preocupação com o preço dos produtos (27%) assume destaque. Ainda a realçar a seleção do local de compra em função de campanhas e promoções, evidenciada como importante para 33% dos inquiridos.

Fundado em 1984, o IPAM é a mais antiga e a maior escola de marketing em Portugal e uma das mais antigas em todo o mundo. Com Campus no Porto e em Lisboa, o IPAM formou nas últimas três décadas de atividade mais de 10 mil alunos.

 

Ler mais
Recomendadas

Web Summit: Empresas portuguesas que participaram em 2016 arrecadaram financiamentos de 60 milhões de euros

As ‘startup’ portuguesas que participaram na primeira edição da cimeira tecnológica Web Summit em Lisboa, há três anos, já arrecadaram quase 60 milhões de euros em financiamento após 41 rondas de investimento, informou a organização à agência Lusa.

Reaberta circulação ferroviária na Linha de Cascais

A circulação ferroviária na Linha de Cascais, que esteve interrompida por causa de um atropelamento ao início da manhã de hoje, foi retomada cerca das 08:30, disse à Lusa fonte da Proteção Civil.

Países do Mercosul aceleram entrada em vigor do acordo com União Europeia

Os países do Mercosul concordaram em entrar individualmente no acordo com a União Europeia à medida que o parlamento de cada Estado aprovar o texto, sem esperarem pela aprovação de todos as nações para oficializar a integração.
Comentários