Portugueses gastaram 32 milhões de euros em medicamentos para alergias

O consumo deste tipo de medicação (com e sem receita médica) registou um acréscimo de 10,2% desde 2014, refere o JN.

Foto cedida

No ano passado, as famílias portuguesas gastaram 32,19 milhões de euros em anti-histamínicos, segundo os dados divulgados pela consultora IQVIA ao “Jornal de Notícias” (JN).

O consumo deste tipo de medicação (com e sem receita médica) registou um acréscimo de 10,2% desde 2014 (quando era de 27,5 milhões de euros), refere o JN na edição desta terça-feira. Os especialistas alertam para a subida no número de casos, sobretudo entre os meses de abril e maio, o que leva à corrida aos medicamentos.

“Ao longo dos anos, o número de pessoas com alergias tem vindo a aumentar”, afirma ao jornal o vice-presidente da Sociedade Portuguesa de Alergologia e Imunologia Clínica (SPAIC). Pedro Carreiro-Martins alertou ainda para a “maior gravidade” destas patologias.

“Na Europa 40% da população teve ou terá uma doença alérgica”, disse ainda o alergologista pediátrico Libério Ribeiro.

Recomendadas

Prepare a carteira. Vem aí (mais) um aumento nos combustíveis

A partir de segunda-feira, os combustíveis ficam novamente mais caros. Aumento é maior na gasolina, tanto nas cadeias de marca branca, como nas principais gasolineiras.

Caixa Geral está a vender Mercedes para atingir metas da recapitalização

Campanha de crédito “imbatível” está a chegar por email a clientes. Banco justifica com metas “extremamente exigentes”. E diz que não está a promover o endividamento, pois clientes acederiam na mesma a outras opções de financiamento do mercado.

Insolvência: o que é? como funciona? e quais são as obrigações do devedor?

Muitos são os consumidores que recorrem ao processo de insolvência como a última oportunidade de reequilíbrio da sua vida financeira, nomeadamente quando o valor das dívidas ultrapassa largamente o património/rendimentos que possuem não sendo possível cumprir com o seu pagamento
Comentários