Possível vacina contra a Covid-19 anima Wall Street

Esta segunda-feira, a FDA, a agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, deu a designação “via rápida” a duas vacinas experimentais desenvolvidas em conjunto pela empresa alemã de biotecnologia BionTech e pela pela gigante farmacêutica norte-americana Pfizer

Traders work on the floor of the New York Stock Exchange (NYSE) shortly after the opening bell in New York, U.S., January 3, 2017. REUTERS/Lucas Jackson

Os três principais índices da bolsa de Nova Iorque iniciaram a primeira sessão desta semana em alta, com o sentimento do mercado impulsionado com a possibilidade de uma vacina contra a Covid-19 ficar pronta em outubro.

Logo após o toque do sino em Wall Street, às 14h30 no horário de Portugal continental, o industrial Dow Jones subia 0,79%, para 26.280,60 pontos; o S&P 500 avançava 0,80%, para 3.210,46 pontos; e o tecnológico Nasdaq valorizava 0,66%, para 10.617,44 pontos.

Esta segunda-feira, a FDA, a agência reguladora de medicamentos dos Estados Unidos, deu a designação “via rápida” a duas vacinas experimentais desenvolvidas em conjunto pela empresa alemã de biotecnologia BionTech e pela pela gigante farmacêutica norte-americana Pfizer

Estas duas vacinas — BNT162b1 e BNT162b2 — são as que se encontra em processo de desenvolvimento mais avançado entre as quatro que estão a ser avaliadas pelas duas empresas e que estão numa fase testes nos Estados Unidos e na Alemanha.

Os resultados dos ensaios clínicos são esperados já no final deste mês de outubro. À agência “Reuters”, Thomas Hayes, manager da Great Hill Capital LLC, um fundo de private equity de Nova Iorque, referiu que constitui “muito boas notícias” a possibilidade de as vacinas estarem prontas para serem aprovadas “no final de outubro”.

Em resultado, as ações da Pfizer valorizam 2,48% e as da BionTech disparam 9,76%.

Nas empresas, a Pepsi Co subiu avança 0,51% depois de ter dado o pontapé-de-saída de mais uma época de resultados que beneficiaram do aumento do consumo de produtos como os “Fritos” ou “Cheetos” no período do confinamento.

Ainda assim, segundo os dados da Refinitv, uma empresa especialista em análise de mercados, antecipam a maior quebra dos resultados trimestrais das cotadas norte-americanas no S&P 500 desde a crise financeira.

Destaque ainda para o disparo da Tesla, que está a valorizar 12,98% (às 14h44 em Portugal continental), prolongando assim a tendência de subida. É possível que, se a Tesla registar lucros no último trimestre, possa passar a estar incluída no S&P 500. Um dos critérios desta inclusão consiste em lucros durante quatro trimestres consecutivos.

Nas matérias-primas, o preço do petróleo está em queda. Nos Estados Unidos, o West Texas Intermediate perde 0,94%, para 40,17 dólares. Em Londres, o barril de Brent, referência para a Europa, cai 0,90%, para 42,85 dólares.

Ler mais

Relacionadas

Energéticas levam PSI 20 ao vermelho em contraciclo com a Europa

Praça lisboeta abriu a sessão a descer 0,11%, para 4.454,97 pontos nesta segunda-feira, contrariando as tendências das suas congéneres europeias.

Novos dados sobre o remdesivir acalmam investidores. Wall Street fecha no ‘verde’

Os três principais índices norte-americanos acabaram a sessão no ‘verde’. A Gilead Sciences está subiu mais de 2%, depois de informar que o seu medicamento remdesivir está associado a uma percentagem significativa de melhorias dos doentes com Covid-19.
Recomendadas

Nasdaq escapa às quedas de Wall Street

Do outro lado do Atlântico, o Dow Jones perde 0,27% para 27,900.52 pontos, seguindo-lhe S&P 500 que desliza 0,05% para 3,368 pontos. Em sentido inverso, o tecnológico Nasdaq sobe 0,58% para 11,079.50 pontos.

Bolsas europeias seguem em baixa

O principal índice português não é exceção e negoceia em terreno negativo, com um deslize de 0,30% a meio da sessão desta quinta-feira. BCP, Galp Energia e Jerónimo Martins caem menos de 1%.

Ações da dona do Correio da Manhã valorizam-se mais de 18%

As ações da Cofina seguiam hoje a meio da manhã a valorizar-se mais de 18%, depois de na quarta-feira a empresa de Paulo Fernandes ter lançado uma Oferta Pública de Aquisição sobre 100% da Media Capital.
Comentários